População regional teve queda na última década

Estudo realizado pelo professor da Fahor, o economista Márcio Kalkmann aponta que em 36 municípios pesquisados, apenas seis tiveram saldo positivo em número de habitantes entre os anos de 2010 e 2021. O estudo foi realizado com base em dados de estimativas do IBGE

População regional teve queda na última década
Professor e economista da Fahor, Márcio Kalkmann

Os dados de estimativas populacionais do IBGE indicam queda da população na região Fronteira Noroeste. Com base em 36 municípios pesquisados, observa-se que apenas seis municípios tiveram saldo positivo em número de habitantes entre os anos de 2010 e 2021. Para os demais 30 municípios pesquisados, observou-se queda no número de habitantes, apontou estudo realizado pelo professor e economista da Fahor, Márcio Kalkmann.

De acordo com o professor, essa situação poderia ser vista com menor preocupação caso a migração ocorresse entre municípios da região, porém não é o que ocorre. “Como o saldo geral é negativo, entre 2010 e 2021, a região registrou uma evasão de população. Observamos um grande número de municípios que perderam população, sendo o total de perdas populacionais destes municípios algo em torno de 16.764 habitantes”, explica o professor.

Santa Rosa, Três de Maio, Três Passos, Horizontina e Giruá concentram praticamente metade da população regional

Já os destaques positivos do estudo ficam para os municípios de Redentora, com 15,26%, seguido de Santa Rosa (7,72%) e Horizontina com 5,98% de crescimento populacional estimado.

Na análise do economista os dados mostram que quando relacionados os dados, o saldo ainda fica negativo em mais de 8 mil habitantes. Ou seja, embora alguns municípios tiveram crescimento populacional, no geral ocorreu perda populacional na região. 

De acordo com o professor, se for considerado o crescimento vegetativo, observa-se um envelhecimento da população. “Como é o caso dos dados apresentados, temos uma conclusão que indica o envelhecimento da população e também a redução do número de filhos por família. Fica evidente que nos municípios com população mais jovem essa situação é menos preocupante pois a tendência é de formarem famílias e terem filhos”, comenta Kalkmann.

Em relação aos municípios que demonstraram crescimento populacional, o economista destaca que alguns municípios absorveram a população de outros. “Entre os seis municípios que aumentaram a população, 16,16% conseguiu reter ou recuperar 50% da população que foi perdida nos outros municípios, o que indica uma dinâmica regional, que está concentrando a população em alguns municípios específicos. Ou seja, a participação dos municípios em relação ao total da população regional também está concentrada. Quase metade da população está concentrada em cinco municípios da região em 2021, sendo eles: Santa Rosa (23,22%), Três de Maio (7,50%), Três Passos (7,48%), Horizontina (6,11%) e Giruá (4,94%) da população”, destaca o economista. 

Cidades que absorveram população são as que mais geram empregos

Para o professor e economista, os motivos que levam essas cidades a absorverem a população são as oportunidades que elas geram no mercado de trabalho. “Os investimentos que a iniciativa privada realiza, novos negócios, a prática do empreendedorismo local nestes municípios são destaques. As  articulações público - privadas são imprescindíveis para que ocorra absorção da mão de obra sobressalente nos municípios e para que se evite a evasão da população para outras regiões do estado e país”, finalizou.

A diminuição da população de região já havia sido pauta de reportagem do Semanal, na edição de 4 de dezembro do ano de 2020.

Municípios da região Fronteira Noroeste com estimativas de decrescimento populacional entre 2010 e 2021

 Fonte: Adaptado pelo autor a partir dos dados do IBGE,2021

Municípios da região Fronteira Noroeste com estimativas de crescimento populacional entre 2010 e 2021:

 

Embora alguns municípios tiveram crescimento populacional, no geral ocorreu perda populacional na região. Veja os números na tabela:

 Fonte: Adaptado pelo autor a partir dos dados do IBGE,2021.