Cotrimaio e Cotrisal iniciam processo de transição

Cotrimaio e Cotrisal assinaram no último dia 18, o contrato de locação de 18 pontos – entre recebimento de grãos, lojas de insumos e produtos agrícolas, rações, área de leite e consultoria técnica agronômica e veterinária –, que passam a ser administrados pela cooperativa com sede em Sarandi. A previsão inicial é que a Cotrisal assuma efetivamente as atividades em meados de novembro. A Cotrimaio continua atuando na área de supermercados, postos de combustíveis e venda de óleo diesel. Para o presidente da Cotrimaio, Silceu Dalberto, esta foi a melhor alternativa encontrada para garantir o pagamento dos credores e manutenção dos postos de trabalho gerados pela cooperativa em toda sua área de atuação.

Cotrimaio e Cotrisal iniciam processo de transição
Ato de assinatura entre as cooperativas Cotrimaio e Cotrisal foi acompanhado pelo presidente da Fecoagro (Federação das Cooperativas Agropecuárias do Rio Grande do Sul), Paulo Pires e pelo presidente da Sicredi Região da Produção RS/SC/MG, Saul João Rovadoscki

Cotrimaio e Cotrisal fortalecem o cooperativismo regional

 

Atividade da cooperativa de Sarandi na região prioriza o pagamento de credores

 

Cotrimaio e Cotrisal iniciam nos próximos dias o processo de transição das áreas de negócios e estruturas que fazem parte do contrato de locação assinado na manhã do dia 18 de setembro, em Sarandi. A previsão inicial é que a cooperativa de Sarandi assuma efetivamente as atividades na região Noroeste em meados de novembro, englobando 18 pontos de recebimento de grãos, lojas de insumos e produtos agrícolas, rações, área de leite e consultoria técnica agronômica e veterinária. A Cotrimaio continua atuando na área de supermercados, postos de combustíveis e venda de óleo diesel.


Acompanharam o ato de assinatura, o presidente da Fecoagro (Federação das Cooperativas Agropecuárias do Rio Grande do Sul), Paulo Pires, o presidente da Sicredi Região da Produção RS/SC/MG, Saul João Rovadoscki, além de diretores das cooperativas Cotrimaio e Cotrisal.


Na avaliação do presidente da Cotrisal, Walter Vontobel, o sistema cooperativista sai ainda mais fortalecido. “Nosso objetivo é promover tecnologias, produtividade e renda aos associados e produtores, além de ajudar a região a crescer, trabalhando com reponsabilidade e seriedade”.


Para o presidente da Cotrimaio, Silceu Dalberto, esta foi a melhor alternativa encontrada para garantir o pagamento dos credores e manutenção dos postos de trabalho gerados pela cooperativa em toda sua área de atuação.

 

Valorização da soja – aliada à soma de fatores –, gerou problema nas finanças e a perda da confiança dos cooperados da Cotrimaio, revela o presidente Silceu Dalberto

 

Silceu destaca que desde o início do processo de liquidação extrajudicial em 2013 até o mês de maio deste ano, a cooperativa pagou vultosos valores de suas dívidas e renegociou praticamente 95% da totalidade delas, graças ao apoio dos cooperados na realização de negócios com a cooperativa. “Ocorre que a inadimplência de uma trading junto à Cotrimaio, o violento impacto gerado pela valorização da soja, a quebra na safra e elevação do dólar, somados a retração econômica provocada pela pandemia da Covid-19, ocasionou um problema temporário nas finanças da cooperativa e levou à perda da confiança dos cooperados, o que foi possível perceber na Assembleia Geral Extraordinária realizada recentemente. Tal fato acelerou a busca por uma cooperativa que pudesse atender na integralidade todos os anseios dos cooperados”, relatou.


Segundo o presidente da Cotrimaio, a locação para a Cotrisal, com o apoio da Federação das Cooperativas do Rio Grande do Sul, através do seu presidente Paulo Pires, vem estancar um problema histórico da cooperativa, que sofre a cada crise econômica do país, atingindo principalmente a credibilidade junto aos cooperados. “Agora, os cooperados terão mais segurança na hora de depositar e comercializar grãos e condições mais competitivas na aquisição de insumos, o que vai impactar positivamente na economia da região”, frisou Silceu, destacando a força do cooperativismo gaúcho.


A partir de agora, concluídos os trâmites iniciais do processo de arrendamento, as cooperativas irão detalhar aos produtores o plano de pagamento de débitos e a forma de trabalho no recebimento de grãos e realização de negócios durante a vigência do contrato celebrado entre Cotrimaio e Cotrisal.

 

Cotrisal: receita de R$ 1,8 bilhão em 2019
 

 Com o início das operações, a área de atuação da Cotrisal passa para 47 filiais em 40 municípios, além da sede administrativa, em Sarandi. Os associados da Cotrimaio e produtores da região passarão a ter acesso a produtos e serviços da Cotrisal, que em 2019 teve receita de R$ 1,8 bilhão e sobras de R$ 109 milhões. 
Ao longo de 63 anos, a cooperativa vem crescendo, agregando valor às atividades dos mais de 10 mil associados que se dedicam na produção das principais culturas – soja, milho e trigo; destes, 800 também investem na atividade leiteira como alternativa de renda.  


A Cotrisal conta com 1.464 funcionários que atuam em escritórios, lojas, fábrica de rações, laticínio, silos, armazéns, moinhos, entre outros setores. Deste quadro, se destacam 121 profissionais entre médicos veterinários, engenheiros agrônomos, técnicos agropecuários e assistentes de campo, os quais estão diariamente no campo auxiliando os cooperados em busca de melhores produtividades.