Três de Maio conquista gestão de excelência no Índice Firjan

O índice é composto pelos indicadores de autonomia, gastos com pessoal, liquidez e investimentos. Entre 497 municípios, Três de Maio ficou na 23ª colocação no Estado. Números são relativos ao ano de 2020

Três de Maio conquista gestão  de excelência no Índice Firjan
No quesito autonomia, Três de Maio recebeu nota máxima, o que significa que o Município possui receita de atividades econômicas próprias suficientes para sustentar a estrutura administrativa - Foto Digital Produções/Airton Luiz Wilhelm

Três de Maio conquista gestão de excelência no Índice Firjan


Com números em crescimento desde 2017, município conquista nível máximo pela primeira vez.  Entre em 497 municípios, Três de Maio ficou na 23ª colocação no Estado. Números são relativos ao ano de 2020

 

O Índice Firjan de Gestão Fiscal (IFGF), elaborado pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) foi divulgado na última sexta-feira, 22. O índice é composto pelos indicadores de autonomia, gastos com pessoal, liquidez e investimentos. Após a análise de cada um deles, cada município é classificado em um dos conceitos do estudo: gestão crítica (resultados inferiores a 0,4), gestão em dificuldade (entre 0,4 e 0,6), boa gestão (entre 0,6 e 0,8) e gestão de excelência (resultados entre 0,8 e 1,0).


A média alcançada pelo Rio Grande do Sul foi de 0,6584, ficando acima da nota nacional, que foi de 0,5456.

 

Três de Maio, está na 23ª colocação no Estado 


Pela primeira vez o município de Três de Maio alcançou nível de excelência em gestão, com nota 0,9035, a maior nota da região. No quesito autonomia, o município recebeu nota máxima 1,0000, o que significa que Três de Maio possui receita de atividades econômicas próprias suficientes para sustentar a estrutura administrativa. Nos quesitos gastos com pessoal e liquidez, o desempenho também foi de excelência, 0,9100 e 0,9549, respectivamente. A menor nota foi em investimentos: 0,7492, que é considerada uma boa gestão. Com o resultado, Três de Maio ficou na 23ª colocação no Estado. Em 2019, o município obteve a nota 0,7736 no índice.

 
O município de Alegria conquistou a nota 0,6533, considerada uma boa gestão, alavancada pelo quesito investimentos, que obteve nota 0,8865, após quatro anos avaliada como gestão em dificuldade. Já nos quesitos autonomia (0,5964), gastos com pessoal (0,5806) e liquidez (0,5497), as notas revelam dificuldade na gestão. Em 2019, Alegria obteve nota 0,5373.


Boa Vista do Buricá alcançou a nota 0,8309, voltando ao patamar de excelência alavancada pelos índices de autonomia (1,0000) e gastos com pessoal (0,8882). Nos quesitos investimento (0,6137) e liquidez (0,7817), o município tem avaliação boa. Em 2019, o município recebeu nota 0,6771, considerada uma boa gestão. 


Em Independência também houve aumento da nota alcançando 0,6752. O quesito autonomia teve nota máxima (1,000), enquanto gastos com pessoal (0,6956) e liquidez (0,6047) estão no patamar da boa gestão e no quesito investimentos (0,4005) registra dificuldade. Em 2019, a nota geral foi 0,6228. É o quarto ano seguido que o município tem a gestão avaliada como boa.


São José do Inhacorá conquistou a nota 0,7694. É a primeira vez, desde 2013, que o município alcança o nível de boa gestão. O resultado foi alavancado pelos quesitos gastos com pessoal e investimentos que obtiveram nota máxima. A liquidez teve nota de 0,7661, considerada boa. No entanto, a autonomia do município caiu ao nível crítico com nota 0,3113, após dois anos em dificuldade. Em 2019, o município recebeu nota 0,5429, considerada gestão em dificuldade.


Na microrregião, apenas Nova Candelária teve queda do índice Firjan. Em 2020, o índice foi de 0,8145, contra 0,8940 de 2019. No entanto, continua em nível de excelência. O município garantiu excelência no quesito gastos com pessoal e boa gestão com relação a autonomia (0,7495), investimentos (0,7204) e liquidez (0,7879).


Na região, Santa Rosa alcançou a nota 0,7533 alavancada pela gestão de excelência em autonomia (0,9634) e gastos com pessoal (1,000). Já nos quesitos investimentos (0,4959) e liquidez (0,5541) o município está em dificuldade. Houve aumento da nota geral em relação a 2019 que era de 0,6838 e o município segue com gestão considerada boa desde 2013, com aumento gradual nos últimos quatro anos.


Horizontina obteve nota 0,8513, alcançando gestão de excelência, o que não ocorria desde 2016, quando conquistou pela primeira vez. Os quesitos autonomia e gastos com pessoal alcançaram nota máxima e investimentos  nota 0,9262 também em nível de excelência. No entanto, o município está em dificuldade com a liquidez (0,4789), com nota em queda desde 2018. Em 2019 a nota geral do município foi de 0,7177.