Acordo entre HSVP e prefeitura garante manutenção do serviço de Urgência/Emergência

Após um mês de muita apreensão com a possibilidade de encerramento dos serviços de Urgência/Emergência do Hospital São Vicente de Paulo, na tarde de quarta-feira, foi formalizado um termo de parceria entre instituição e Prefeitura de Três de Maio para manutenção do atendimento. As informações acordadas serão enviadas ao Ministério Público para que seja elaborado o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC). Os valores não foram divulgados, mas segundo Igor Prestes, diretor-executivo do HSVP, o recurso é suficiente para manter os serviços pelos menos até o final de 2022. “No TAC constará também a previsão de reajustes necessários para os próximos anos”, revelou Igor ao Semanal.

Acordo entre HSVP e prefeitura garante manutenção do serviço de Urgência/Emergência
Prefeito de Três de Maio, Marcos Corso, diretor-executivo do HSVP, Igor Prestes, e vice-prefeito, Josias Correa

Acordo entre HSVP e prefeitura vai manter o serviço de Urgência/Emergência

 

Desfecho se deu na quarta-feira, data limite para o hospital responder ao Estado se manteria ou não o atendimento

 

Após um mês de muita apreensão com a possibilidade de encerramento dos serviços de Urgência e Emergência do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP), a população de Três de Maio e microrregião pode ficar tranquila. Depois de diversas reuniões e tentativas de acordo, o HSVP anunciou a formalização de um termo de parceria entre o hospital e a Prefeitura de Três de Maio. 


O desfecho se deu na última quarta-feira, 29, último dia que o hospital tinha para responder ao Estado se manteria aberto ou fecharia o serviço de Urgência e Emergência. De acordo com o diretor-executivo do HSVP, Igor Prestes, a secretária adjunta de saúde do Estado, Ana Costa, esteve no hospital conversando sobre a importância da instituição para a região e o Estado e pedindo que os serviços fossem mantidos.


Com o mesmo objetivo o prefeito de Três de Maio, Marcos Corso, e o vice, Josias Correa, estiveram durante boa parte do dia na instituição discutindo alternativas. A Prefeitura fez uma proposta assegurando que auxiliará o hospital com mais aporte financeiro para a manutenção dos serviços e uma carta de intenções foi firmada entre as partes. 


O esforço das irmãs da Rede Verzeri, entidade religiosa que administra o HSVP, para manter o serviço funcionando, foi fundamental para o desfecho da situação. Nesta semana, elas fizeram um empréstimo para quitar as dívidas e manter o Urgência/Emergência aberto ainda no mês de outubro. 


Corso ressaltou que as irmãs foram atrás de recursos para manter o serviço aberto. “Então, acho que também nesse momento, nós municípios, precisamos dar a nossa contrapartida”, justificou.


Os próximos passos


A partir de agora, hospital e município passarão as informações acordadas ao Ministério Público para que seja elaborado o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC). Os valores não foram divulgados, mas segundo Prestes, o recurso é suficiente para manter os serviços até o final de 2021 e no ano de 2022. “No TAC constará a previsão de reajustes necessários para os próximos anos”, explica.


Na tarde de ontem, o prefeito Marcos Corso, informou ao Semanal que estava conversando com os outros prefeitos da microrregião sobre o documento feito pelo município assegurando que dará suporte para garantir a manutenção do serviço de urgência/emergência, que era o que administração do hospital precisava para responder ao Estado se manteria ou não os serviços funcionando. Agora, a ideia é construir um documento em conjunto para enviar ao MP para a construção do Termo de Ajustamento de Conduta.

 

Diretor-executivo do HSVP, Igor Prestes, afirma que o conjunto de esforços – entre direção do HSVP, Irmãs, prefeito e vice de Três de Maio – foi fundamental para chegar a uma solução  e manter a prestação de serviços