Vereadores aprovam por unanimidade projeto que autoriza a alienação de terrenos no Parque Empresarial II

Com 19 lotes, inicialmente 12 empresas tinham interesse de compra nos terrenos; agora, mais duas estão no processo de análise da documentação. Audiência pública será realizada no próximo dia 29, para debater algumas alterações no Plano Diretor

Vereadores aprovam por unanimidade projeto que autoriza a alienação de terrenos no  Parque Empresarial II
Secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, César Ferreira da Fontoura

Os vereadores presentes na última Sessão Ordinária do Legislativo três-maiense, realizada na terça-feira, 21, aprovaram por unanimidade o Projeto de Lei nº 023/2021, de origem Executiva, que “autoriza a alienação de terrenos localizados no Parque Empresarial II”.  


De origem executiva, a iniciativa é um importante incentivo ao empreendedorismo, das empresas dos mais diversos ramos de atividade, como prestação de serviços, construção civil, automotivo, metalúrgico, moveleiro, confecção, combustíveis, alimentos, saúde, esquadrias, entre outros. O assunto já foi notícia no Semanal da edição passada.


Conforme a proposta, a transferência dos imóveis será processada com dispensa de licitação, com fundamento jurídico na Lei Federal nº 8.666/93 – Lei de Licitações e contratos Administrativos. Algumas destas empresas, ao se transferirem para o novo local, terão condições para expansão, pois sairão do meio urbano para um local adequado para a sua atividade.


O secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, César Ferreira da Fontoura, destacou a importância da aprovação do projeto pelos vereadores, informando que dos 19 lotes, 14 devem ser ocupados já num primeiro momento. “Eram 12 empresas, mas teremos mais duas que já estão providenciando a documentação. Lembrando que não podem ser microempresas e nem microempreendedores individuais, por exemplo”, explicou.


César explicou ainda que as empresas que tiveram a alienação dos terrenos aprovada pelo Legislativo serão chamadas na Prefeitura para atualizar a documentação, ou seja, o início da construção não será imediato. O que de certa forma, será oportuno, já que deverá haver ajustes na lei municipal que determina os recuos das construções. “Hoje, o Plano Diretor estabelece o recuo, de frente, de seis metros. E os empresários alegam que é muito terreno perdido. Uma coisa é esse recuo para as empresas da cidade, onde tem movimentação de pessoas, passeio público. Na área industrial, é outra realidade”, compara.  


 O secretário alega que já existe a previsão de novos recuos – 4m de frente, 1,5m lateral e fundo; e de esquina de 4m e 2m. Antes, porém, haverá o debate em audiência pública, no dia 29, às 14h, na Câmara de Vereadores. Na oportunidade, serão debatidas alterações no Plano Diretor e, entre os diversos assuntos, a implementação do programa “Acelera Três de Maio”.

 

Empresários projetam ampliação dos negócios e maior geração de empregos em novo local

A possibilidade de um novo local para a instalação, mais adequado e apropriado para ampliação dos negócios, deixa os empresários que irão ocupar os lotes do Parque Empresarial II bastante otimistas.


Um exemplo vem dos sócios Evandro Telka e Jorge Luis Zimmermann, da Telka Artefatos de Cimento e Materiais de Construção. Atualmente, a fábrica está na localidade de Vista Alegre (Consolata) e a loja no centro da cidade. 


Com o novo local, Evandro projeta aumento da produção de artefatos de cimento – especialmente blocos e tubos, e estoque de materiais de construção, ampliando a linha de produtos. Hoje estão sendo produzidas lajotas para calçadas, guias tatil e alerta; postes para cercas; pré laje; fossas sépticas; bebedouros; produtos para jardim; pisantes; tanques; mesas em concreto e blocos. 


Atualmente a empresa conta com os dois sócios e cinco funcionários e, a previsão – com a ampliação da empresa e aumento da produção – é dobrar o número de funcionários.

 

 

Evandro Telka e Jorge Luis Zimmermann, da Telka Artefatos de Cimento e Materiais de Construção


Já para o empresário Dionísio Júnior Casali, proprietário da Innova Transporte de Resíduos, que atua no transporte de cargas perigosas e é especializada no transporte de resíduos industriais perigosos Classe I e Classe II, a aquisição do lote vai possibilitar um grande passo para a empresa.


Hoje atendendo em todo o Estado, com maior atuação na região Noroeste, a empresa não possui uma sede física. “A aquisição do terreno vai nos possibilitar a construção de uma central de triagem e armazenamento temporário dos resíduos que transportamos, permitindo que possamos acondicionar e montar as cargas de modo mais racional otimizando toda a logística do transporte”, informa.


De cinco colaboradores, a previsão de contratação é de pelo menos gerar mais três postos de trabalho. “A Innova está próxima de completar 10 anos de atuação, este novo passo vai ao encontro de uma fase de desenvolvimento estratégico que envolve todos os setores da empresa, especialmente de gestão, investimento estrutural e humano, o que vai refletir diretamente num atendimento mais qualificado ao cliente, além de garantir um crescimento planejado de mercado”, conclui Dionísio.

Dionísio Júnior Casali, proprietário da Innova Transporte de Resíduos