Morada do Sol: um projeto habitacional que deu certo

Projeto habitacional foi o primeiro loteamento social de São José do Inhacorá. Há previsão para a segunda edição do projeto

Morada do Sol: um projeto habitacional que deu certo
Loteamento Morada do Sol tem capacidade para 20 unidades habitacionais. Todos os terrenos já foram vendidos

A administração municipal de São José do Inhacorá entende que a projeção de um bairro que contemplasse a edificação de casas em fracionamento de terrenos a preços acessíveis e que pudessem ser financiados pelos futuros moradores, através de instituição bancária, abrangendo as famílias com renda de até três salários mínimos, foi uma das melhores medidas tomadas
ao longo dos últimos oito anos pelo governo municipal. O município vem trabalhando neste programa desde 2013.
Para o executivo municipal, é necessário considerar o crescimento da cidade e o preço dos terrenos praticados, o que dificultava e até inviabiliza muitas famílias de obter sua tão sonhada casa própria. Foi então que surgiu o Morada do Sol, um loteamento, localizado na extremidade Oeste da Rua Dona Antoninha, com a dimensão de 7.654 m2 com capacidade para 20 unidades habitacionais (todos vendidos até 2020) com média territorial de aproximadamente 350 m2 cada.
Todas as unidades possuem infraestrutura de água, energia elétrica, movimentação de terras, escrituração da área útil e seu registro, fracionamento em terrenos, legalização e, inclusive, a pavimen-tação, executada pelo município. O cadastro de interessados deu-se através do Cras Bem Viver com seus devidos critérios de enquadramento através de Lei Municipal nº 1.135/2014.
Com a crescente demanda, a administração municipal tem a intenção de projetar um novo loteamento social com condições de receber a mesma infraestrutura da primeira edição. "Investir em habitação é investir em saúde, saneamento e no bem-estar de cada família. Uma unidade habitacional, além de ser uma obra de cunho social, visa oportunizar o acesso habitacional aos munícipes", reforça o prefeito.
Conforme o executivo municipal, diante da importância social se buscará, inicialmente, conceituar propriedade e sua função social, prevista constitucionalmente.
As famílias com renda mensal de até três salários mínimos serão selecionadas pelo Conselho Gestor do Fundo Local de Habitação de Interesse Social, mediante inscrição prévia e comprovação de sua renda, tempo de moradia no município e constituição do grupo familiar, o que somará pontos, e decidirá os beneficiários.