‘Esse ano, apesar de ser um ano totalmente atípico, as mulheres com câncer vêm até o Imama para buscar peruca’, diz responsável pela unidade de Três de Maio

Unidade é única do Interior do Estado e já atendeu centenas de mulheres desde sua fundação, em 2009

‘Esse ano, apesar de ser um ano totalmente atípico, as mulheres com câncer vêm até o Imama para buscar peruca’, diz responsável pela unidade de Três de Maio
A pequena Gabriela Roberti Rodrigues doou seu cabelo recentemente. O Instituto da Mama recebe doações de cabelos para a confecção de perucas, que são cedidas às mulheres que necessitam

Em 27 de novembro, a Unidade Regional do Imama de Três de Maio comemora 11 anos de fundação. Em atividade desde 2009, o local passou de Núcleo para Unidade Regional, sendo a única do Interior do Estado do Rio Grande do Sul em atividade, além da sede em Porto Alegre.


Desde que foi criado, por iniciativa da então primeira-dama de Três de Maio, Elizabeth Caraffa, o Imama alcança um grande número de pessoas – homens e mulheres, de todas as idades.


Segundo a responsável financeira pelo Imama, Eliane Teresinha Schardong, as cerca de 40 voluntárias e vitoriosas fazem um trabalho em mais de 25 municípios da região e, em muitos destes, anualmente. A programação do Outubro Rosa fica a cargo das Secretarias de Saúde de cada município, escolas, igrejas, empresas. Porém, sobre a quantidade de pessoas atendidas pelo Imama, é difícil mensurar a quantidade.


Eliane revela que o trabalho realizado depende muito do que a paciente vem procurar na unidade. “Muitas vêm em busca de uma palavra de conforto, outras em busca de orientações, mas a grande maioria busca acessórios como peruca, lenços e toucas. E esse ano, apesar de ser um ano totalmente atípico, devido à pandemia, 10 mulheres vieram até o final de setembro buscar peruca”.

 


Principal ferramenta usada pelo Imama é a informação


Atualmente, o Imama presta serviços às mulheres e familiares, de suporte jurídico, nutricional, psicológico e fisioterápico; além do empréstimo de perucas, lenços e toucas.
Conforme Eliane, a principal ferramenta usada pelo Imama é a informação, através de palestras, projetos como o “Imama na Escola”, “Imama na Empresa”, distribuição do calendário, entre outros materiais. Contudo, no momento, a procura maior na unidade é por perucas. “No momento, temos emprestadas 40 perucas”, destaca.
A responsável financeira revela que os recursos para a manutenção do Imama provêm de projetos encaminhados às entidades e clubes de serviço; de parceria com empresas; da venda de camisetas da “Caminhada das Vitoriosas”; da comercialização do “Lanche Rosa” e de doações espontâneas.


‘Não fossem as voluntárias e vitoriosas, o Imama não existiria mais em Três de Maio’


A frase é forte, mas trata-se de uma realidade, afirma Eliane. “Não fossem as voluntárias e vitoriosas, o Imama não existiria mais em Três de Maio. Atualmente somos a única Unidade no Interior do Estado, graças ao trabalho desenvolvido de forma gratuita e muitas vezes anônima do grupo de voluntárias”.


Todos os meses é realizada uma reunião entre as colaboradoras da unidade. Para as atividades, todas são chamadas a participar e cada uma – dentro da sua disponibilidade de tempo – presta a sua colaboração.  


 

Portas abertas


Mesmo em tempo de pandemia, a sede do Imama está de portas abertas para atendimento. A secretária Lurdes está lá para prestar o atendimento, sempre seguindo as normas de prevenção ao Covid-19. E as vitoriosas estão à disposição para conversar e aliviar a ansiedade das pessoas que estão enfrentando a doença no momento.

 

 

O tabu do câncer de mama no homem


Na avaliação de Eliane, o maior desafio é ter o contato ou depoimento de um vitorioso. “Como o câncer de mama em homem é mais raro, ainda existe o tabu, a vergonha de aceitar e falar”.


Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), a incidência masculina é tão rara e pouco frequente que não entra nas estimativas. Em nível de Brasil, cerca de 1% é o total de homens acometidos pelo câncer de mama, em relação às mulheres.

 

 

‘Não jogue fora o seu cabelo longo, doe ao Imama’
 

Este ano não está sendo realizada a programação do Outubro Rosa, ou seja, sem palestras e sem a tradicional Caminhada das Vitoriosas. Por isso, não foram confeccionadas as camisetas da caminhada.


Mas o tradicional Lanche Rosa, no dia 25 de novembro, está marcado, na semana de aniversário da Unidade. Nos próximos dias os cartões estarão disponíveis junto às voluntárias e vitoriosas.


A responsável financeira do Imama lembra que, como as perucas são muito procuradas, é preciso manter um grande estoque e uma constante renovação. “Agradecemos todas as pessoas que estão doando parte de seu cabelo para que possamos fazer novas perucas. Contamos com a parceria da Mara Gracinda, de Joinville (SC), que confecciona as perucas de forma voluntária. Encaminhamos para ela as mechas de cabelo e ela nos envia prontas. Não jogue fora o seu cabelo longo, doe ao Imama, pois estará ajudando a aumentar a autoestima das mulheres que estão passando pela quimioterapia”, ressalta.


Ainda, enfatiza Eliane, é importante lembrar que o câncer não parou durante a pandemia. “Fique atenta. Qualquer alteração suspeita na mama procure atendimento médico. Câncer de mama tem cura. Se diagnosticado e tratado cedo, tem 95 % de chance de cura”, finaliza.