Atendimento, acessibilidade e preço são itens decisivos para as compras no comércio local

86,44% dos três-maienses pretendem fazer suas compras no município

Atendimento, acessibilidade e preço são itens decisivos para as compras no comércio local
Mais de 70% dos consumidores da região priorizam o comércio de sua cidade - Foto Freepik

No dia 25 de novembro foi realizado o painel Vendas de Final de Ano, realizado pela Setrem, Fema e Fahor, em conjunto com a ACI e Sindilojas de Três de Maio e Associações Comerciais de outros municípios da região. O evento foi realizado no auditório da Fahor, com transmissão pelas redes sociais das faculdades. Na ocasião, os painelistas Jesildo Lima (Setrem), Jonas Bordim (Fema) e Marcelo Blume (Fahor) falaram sobre a temática.


O tema comportamento do consumidor foi tratado pelo painelista Jonas Bordim, mestre em Gestão Estratégica de Organizações e coordenador da pós-graduação em Marketing Digital da Fema. Segundo ele, a pandemia provocou uma mudança de hábito nos consumidores, que ficaram um pouco mais cautelosos com relação às compras em lojas físicas, como forma de prevenção, e acabaram se voltando para o e-commerce. “No entanto, com o aumento da vacinação e consequentemente a redução dos casos, os consumidores estão voltando a consumir em ambientes físicos e esse período de final de ano é um ótimo momento para aproveitarmos essa oportunidade de encantarmos nossos clientes, decorando nossas lojas e proporcionando uma experiência de compra única para eles. Isso com certeza irá resultar em um aumento de vendas, seja em nossas lojas físicas ou virtuais”, considera.


O vice-diretor da Fahor, que é especialista em Marketing e mestre em Engenharia de Produção, Marcelo Blume falou sobre a apresentação visual das lojas. “Vitrine e fachada são os melhores outdoors que se pode ter”. Ele explicou que é preciso se preocupar com a iluminação não apenas à noite, mas durante o dia também, e que a vitrine precisa ser sedutora. “Elas podem ser as vendedoras mais eficientes de uma loja. 83% da memorização é fruto do que se vê. Ela é decisiva para criar conceitos”, portanto é preciso ficar atento ao que a loja está mostrando ao seu cliente, em seu conjunto. 

 

Pesquisa sobre o comportamento do consumidor

A pesquisa ‘O comportamento do consumidor de varejo na Região Noroeste do Rio Grande do Sul’ que revela a intenção de compra dos consumidores para o final de ano, foi apresentada pelo doutor em Desenvolvimento Regional, e professor da Faculdade Setrem, e coordenador da pesquisa, Jesildo Lima. O estudo é realizado anualmente, desde 2013, pela Faculdade de Administração da Setrem.


A pesquisa aponta tendência de aumento no valor das compras comparado a 2020, sendo que 74,32% dos entrevistados irão gastar até R$ 300,00. As intenções de compra para o final de ano são: roupas, alimentos, bebidas e brinquedos, com 61,2% da preferência dos entrevistados. Itens como calçados, eletrodomésticos, eletrônicos, joias, óculos, relógios, cama, mesa e banho tiveram queda nesta edição do estudo. 


A maioria dos entrevistados, 65,08%, revelou que as compras de fim de ano serão destinadas a membros da família e 30,16% irão se presentear. Presentes para amigos representam 4,23% e o tradicional amigo secreto, apenas 0,53%. 


De acordo com Jesildo, a pesquisa apontou a necessidade de atenção ao atendimento, pois ele continua como fator importante da decisão de compra do consumidor. “As maiores evidências apresentadas na pesquisa este ano foram em relação ao aumento da intenção de compra via internet, comparado aos anos anteriores, e a alteração dos produtos pretendidos com aumento em relação a roupas, bebidas, brinquedos e chocolates”. 

 

Coordenador da pesquisa, Jesildo Lima é doutor em Desenvolvimento Regional, e professor da Faculdade Setrem

 

Inovação é fundamental para concorrer com a internet

O estudo revela que 86,40% dos consumidores já compraram pela internet. A concorrência da rede mundial de computadores é uma realidade. Preço, variedade e diversidade de opções são as principais vantagens apontadas pelos entrevistados. No entanto, o doutor em Desenvolvimento Regional destaca que as lojas físicas têm maiores chances de conquistar esses clientes se apostarem na inovação. “O novo, o diferente chama atenção. Alterações nas disposições de mercadorias, novas ações promocionais, busca pela fidelidade, investimento em melhorias no ponto de venda devem ser priorizados”, ressalta. Para Jesildo, com o avanço das formas de proteção contra a pandemia, como a vacina, a tendência é de maiores visitas às lojas físicas, mas estas precisam ser acolhedoras, preparadas para aproximar a relação de parceria entre loja e cliente. Atendimento, preço e qualidade são os itens mais observados pelo consumidor na escolha da loja física.

 

Mais de 70% dos consumidores da região priorizam o comércio de sua cidade

Sobre a fidelidade do consumidor ao comércio local, Jesildo destaca que os consumidores são mais fieis nos municípios maiores. “Mas observa-se que historicamente nossos pequenos municípios vêm aumentando a fidelidade, como Nova Candelária, Doutor Maurício Cardoso. 
Conforme a pesquisa, Santo Augusto é o município que apresenta o consumidor mais fiel, com 88,77% dos entrevistados. Na sequência, aparecem os consumidores de Santa Rosa (88,20%) e de Três de Maio (86,44%). Na contramão da aposta no comércio local, o município de Independência é o campeão da infidelidade, onde 63% dos entrevistados disseram que farão as compras fora do município.

 
Entre os motivos para fazer as compras na cidade onde mora, estão: atendimento, acessibilidade e preço, além de contribuir com comércio local. O atendimento aparece em primeiro lugar na maioria dos municípios e está ligado a abordagem aos clientes e a capacitação. Em segundo lugar aparece a acessibilidade, que está ligada a questões como estacionamento, rampas de acesso ao ponto de vendas, iluminação, temperatura, som, layout e toda a questão ergonômica. O preço aparece em terceiro lugar na decisão de compra e está relacionado às formas e meios de pagamentos que devem ser variados. 

 

A pesquisa

Este ano, a pesquisa foi realizada com 1.186 pessoas da região. Dos entrevistados, 54% são do sexo feminino e 46% do masculino. Em torno de 78% possui renda de até dois salários mínimos; cerca de 16% tem renda entre 2 e 5 salários e menos de 6% têm renda de mais de cinco salários. A maioria dos entrevistados, 72%, reside na área urbana e 28% na área rural.

 

Dicas importantes para aumentar as vendas

● Escutar mais o cliente;
● Criar ações novas que chamem atenção do cliente como promoções,  divulgações, campanhas...;
● Escutar o cliente buscando identificar suas necessidades e desejos;
● Ir até o cliente; 
● Oferecer demonstrações/degustações de seus produtos e serviços;
● Ter ações de fidelização e reconhecimento pela parceria com o cliente;
● Atentar para estar nas redes sociais que os clientes estão;
● Capacitar, ainda mais, as equipes de vendas.

 

O que é necessário para atrair o consumidor

Cuidados com o ponto de venda como: acesso, temperatura adequada, iluminação, sonorização, espaço de circulação e, principalmente, vendedores capazes de escutar e oferecer produtos e serviços que atendam a demanda do cliente. 

 

CINCO SEGMENTOS MAIS CITADOS

Roupas: 21,90%
Bebidas/alimentos: 18,13%
Brinquedos: 10,77%
Chocolate: 10,40%
Bazar: 9,70%

 

ORIGEM DOS RECURSOS

Remuneração periódica: 40,74%
13o salário: 25,93%
Reserva/poupança: 19,05%
Crediário da loja: 10,05%
Mesada: 1,59%
Empréstimo/financiamento: 1,59%
Outros: 1,05%

 

PAGAMENTO DAS COMPRAS

Cartão de crédito: 33,33%
Cartão de débito: 19,82%
Em espécie: 18,92%
Carnê da loja: 14,41%
PIX: 10,82
Demais: 2,70%