Psicologia na Prática

Psicologia na Prática

MULHER E BELEZA


Há uma grande diferença entre a sociedade narcisista e o narcisismo saudável que provém da autoestima e do autocuidado. 


Viver o belo de si mesmo é viver a própria identidade. A beleza vista deste paradigma não é um padrão. Ao contrário, é resultado da própria individuação da pessoa que soube responder ao que a vida lhe deu como dom. 


A especialista em Harmonização Facial, Charline Backes, compreende que seu trabalho reforça a beleza que cada pessoa traz. Logo, os efeitos da harmonização são individualizados. Não serão padronizados, sem deixar as mulheres parecidas.


 A busca por uma beleza conforme 'as outras' provém das tradicionais comparações que ainda, algumas (senão muitas) mulheres fazem. 


É tempo de união entre as mulheres nesta grande transição cultural que vivemos. Não é mais tempo de querer igualar-se às outras ou aos homens, mas sim de viver a própria autenticidade, a própria beleza, a própria inteligência.


A igualdade que se busca está no campo dos direitos, das oportunidades profissionais, políticas e sociais. As cotas são garantias para começar a mudar uma cultura de inferiorização das mulheres.


 O acadêmico, Prof. Antonio Meneghetti nos lembra que: “A inteligência e o poder são resultado da arte de cultivar a própria inteligência pessoal”.


 Ao levar em conta este ensinamento nos responsabilizamos por nossas escolhas e podemos construir nossa vida, tornando-a resultado de assertividades, de autorrealização.


 Se pergunte: É bela a pessoa que eu me tornei?

Obs: Este artigo é o resumo da Live do dia 1º de março de 2021, você pode assistir a live no meu canal do YouTube Arlete Salante Psi na Prática.


Siga @arletesalante no Intagram e acompanhe ao vivo as próximas Lives 
15/03/21 –   Mulher e Dinheiro
22/03/21 –  Mulher e Relacionamentos

 

 

Arlete Salante

Psicóloga, Psicoterapeuta e Consultora Empresarial

Doutoranda em Psicologia pela UCES - Buenos Aires

(55) 99970-8357 - YouTube

 

ARTIGO PUBLICADO NA EDIÇÃO DE 05.03.2021

A COLUNISTA ESCREVE QUINZENALMENTE