Psicologia na Prática

Psicologia na Prática

O medo
Qual o seu MEDO?

Diante das ameaças à vida e das incertezas com o futuro compreendemos que o controle sobre muitos aspectos da vida é ilusório.
 Enquanto algumas pessoas encaram bem a situação atual, com autoconfiança ou fé, outras pessoas entram no medo paralisante, propagando seus temores e espalhando o vírus psíquico do medo. Se o momento atual aponta para ameaças e incertezas, precisamos acertar nas melhores escolhas. Sabemos que os estados emocionais contagiam pessoas, ambientes e formam o ‘clima’ das relações. Interferimos e sofremos interferências de modo passivo ou ativo diante de estados emocionais. Observar isso e filtrar é fundamental. 
O medo, o que é? Pode ser uma emoção de sobrevivência que desperta a reação de luta ou fuga diante de uma situação de perigo.
1) LUTA: é na luta que se desenvolve a capacidade de enfrentamento, a força da pessoa a serviço de se defender com bravura e autoconfiança. Há prudência na luta quando sabemos nosso tamanho diante do ‘inimigo’ e nos munimos das precauções necessárias de modo objetivo e prático, sem exagero. Assim, é uma reação inteligente, pois compreende a ameaça e parte para a ação.
2) FUGA: a fuga é uma resposta de esquiva diante do enfrentamento. É saudável quando preserva a vida.
Lutar ou fugir? O resultado das nossas escolhas nos torna como somos hoje, conforme o nível de satisfação que temos e como construímos nossa vida. 
Resolvida a sobrevivência pela luta ou fuga, acaba o medo. Se persiste, não é real, mas uma fantasia. É uma emoção que diante de qualquer coisa ou situação o sujeito se reduz e o faz mais pequeno do que ele é, gerando negatividade e mais medos imaginários e baixando a imunidade
Eu tenho ‘medo’ destes medos que paralisam e alarmam as pessoas. Eu tenho medo de quem faz coação psicológica nos outros, que fica amedrontando a população e ainda, transformando o medo em uma virtude que supostamente ‘protege’, quando na verdade amplia a dependências e a ‘assistência’ tirando a liberdade e a autonomia da população. Qual o seu medo?