Secretária da Saúde diz que não houve alteração na forma de agendamento de consultas médicas

Comunidade tem reclamado de que em algumas Unidades de Saúde o agendamento é feito apenas uma vez por semana. Jacira ressalta que cada unidade tem autonomia para definir a forma como são marcadas as consultas

Secretária da Saúde diz que não houve alteração na forma de agendamento de consultas médicas
“Em breve vamos implantar um protocolo de atendimento entre as Unidades Básicas de Saúde e o setor de Urgência/Emergência do HSVP”, revela a secretária da Saúde, Jacira Taborda

Nas últimas semanas, o Semanal recebeu algumas reclamações de usuários nas Unidades de Estratégia de Saúde da Família (ESF) sobre agendamento de consultas. As maiores reclamações são referente a Unidade Viva Família, do Bairro Oriental, onde o agendamento é feito apenas nas sextas-feiras.


Para verficiar a real situação,  o Semanal entrevistou a secretária Municipal de Saúde, Jacira Taborda. Segundo ela, cada Unidade de Saúde, de forma individual, define a forma de agendamento, de acordo com a organização de cada equipe. “Este sistema já foi adotado há mais tempo e não houve mudanças, nesse sentido”, esclarece a secretaria.


Jacira ressalta também que não existe um padrão para todas as Unidade de Saúde. Algumas Unidades centralizam o agendamento em dia determinado, outras fazem diariamente. “Mas em todas as Unidades, sempre há uma reserva de consultas para pacientes urgentes”, explica. Já no Interior não há agendamento. Há um número de consultas por dia e os pacientes são atendidos no dia. “É importante dizer que se o paciente necessita de atendimento, ele é avaliado pela enfermeira e, se necessário, naquele mesmo dia tem atendimento médico”.


Segundo Jacira, as urgências que não são atendidas nas unidades, são referenciadas e encaminhadas para a Urgência/Emergência do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP). “Para casos graves há um canal direto entre as unidades e a emergência para encaminhar o atendimento”, relata.


Já no caso de crianças com febre ou que não estejam bem durante o dia, a orientação é que os pais procurem por um pediatra na Unidade Central.

 


Protocolo  deve centralizar emergências no HSVP

Conforme a secretária, o município e o Hospital São Vicente de Paulo estão construindo um protocolo de atendimento. “Por exemplo, há pessoas que vão na emergência e não deveriam estar ali, porque o atendimento dela é uma consulta eletiva. Queremos fazer com que as pessoas entendam que isso é lá na Unidade de Saúde a qual pertencem. Isso vale também quando a pessoa vai numa situação de emergência na Unidade de Saúde; o médico não vai atender essa emergência. Nós vamos separar bem esses dois tipos de serviços. O que é emergência será atendido no hospital e o que é eletivo será no posto de saúde”, ressalta. 
Jacira complementa dizendo que nas Unidades de Saúde são atendidas as consultas que a população faz para controle de exames, controle de doença, não casos graves.

 


Usuário diz que não conseguiu atendimento

Em um dos casos de falta de atendimento que chegou à redação do Semanal, o paciente diz que estava com dor de ouvido e febre e que ao procurar ESF Oriental – em uma quarta-feira pela manhã – foi orientado a retornar na sexta-feira para marcar uma consulta para a semana seguinte. Diante disso, procurou a emergência do HSVP, onde recebeu atendimento.


Ao ouvir o relato do caso, a secretária disse que, provalvemente, o caso não era de urgência, porque se fosse, teria recebido atendimento.