O que levar em conta na hora de preparar a LANCHEIRA DAS CRIANÇAS

Com o início das aulas, uma das preocupações de pais e responsáveis é como deve ser o lanche da criança na escola. O que levar? O que não levar? Para falar sobre o assunto, o Jornal Semanal conversou com a nutricionista materno infantil Bárbara Ergang, que é Mestre em Alimentação, Nutrição e Saúde que dá dicas e sugestões para garantir uma alimentação saudável das crianças na escola.

O que levar em conta na hora de   preparar a LANCHEIRA DAS CRIANÇAS
Quanto mais alimentos in natura na lancheira, mais saudável ela será - Foto Pexels/Divulgação

Qual é o lanche ideal para crianças e adolescentes?
Aquela que tem como base alimentos in natura ou minimamente processados, trazendo 2 a 3 grupos alimentares distintos (por exemplo: fruta + carboidrato OU fruta + proteína OU fruta + leite e/ou derivados + fibra) e diversificando os alimentos ao longo da semana. 


O que não pode faltar na lancheira e o que evitar?
Uma porção de fruta é indispensável na lancheira de todos. E evitar ao máximo produtos industrializados. 
Que alimentos não podem, de forma alguma, fazer parte da lancheira escolar?
Alimentos ultraprocessados, como: guloseimas, salgadinhos de pacote, bolachas recheadas, bolos prontos, refrigerantes, sucos em pó ou adoçados...


Quanto aos sucos, qual a orientação?
Se o lanche escolar é a rotina alimentar da criança e fundamental para o desenvolvimento de bons hábitos alimentares, o ideal é o consumo de água. Água de coco e sucos naturais sem adição de açúcar podem compor a lancheira, esporadicamente, para complementar um lanche mais simples.
Dica: Se o seu filho está acostumado com sucos e/ou bebidas adoçadas, água saborizada com frutas e ervas podem ser interessantes para fazer a transição.


Qual a dica para os pais/responsáveis que têm filhos em escola onde existe o tradicional ‘barzinho’, onde são encontrados lanches não saudáveis?
Se a criança tem livre acesso a compra de lanches, ou seja, sempre que ela quer, podemos começar combinando um dia para a compra do lanche, inicialmente semanal, passando para quinzenal e mensal. É importante que os pais sejam firmes nessa regra da rotina escolar, porque as crianças são espertas, é admirável o poder de negociação delas (hehehe) e, eventualmente, o dia combinado para comprar o lanche vai cair num feriado ou num evento escolar e elas vão tentar trocar o dia, mas os pais devem seguir persistentes na regra. Além disso, é importante ser ensinado, tanto na escola quanto em casa, sobre alimentação saudável.
O ‘barzinho’ deveria ser a carta coringa dos pais, para aqueles contratempos casuais, do tipo: o dia que trabalhou até mais tarde e não foi possível passar no mercado/fruteira ou para o dia que só percebeu, que a última fruta da geladeira estava estragada, na hora de montar a lancheira. Sim, essas coisas acontecem e não somos pais ruins por isso. De quebra vamos transformar a situação a nosso favor, pois é uma ótima oportunidade para ensinar ou relembrar as crianças sobre boas escolhas alimentares. Portanto, é importante que os pais se informem sobre o que é vendido no ‘barzinho’.


Quanto a guloseimas, são permitidas algum dia da semana?
Não deveriam ser permitidas, justamente pensando (como disse acima) que o lanche escolar é a rotina da criança. Guloseimas não devem fazer parte da rotina, as crianças terão oportunidade de consumir em eventualidades, como festas de aniversário e confraternizações.


Montar a lancheira com a ajuda da criança faz diferença para o consumo de alimentos saudáveis?
Com certeza! Ajudar na montagem da lancheira estimula autonomia, promove segurança e constrói uma boa relação com os alimentos. Mas serei honesta, nem sempre é uma tarefa fácil e tranquila incluir a criança nessa função, principalmente, na correria do dia-a-dia dos pais. Então, o que podemos fazer é sentar um momento com a criança e fazer um planejamento semanal, quinzenal ou mensal dos lanches escolares, pedir a eles sugestões, que façam desenhos ou escrevam e deixar em local de fácil visualização (porta da geladeira).


Como escolher a lancheira e o copo ideal?
As lancheiras térmicas são bons investimentos, ajudam a conservam os alimentos, são impermeáveis e de fácil higienização, podendo ser de gel, neoprene ou acetato de polietileno e vinil. Potes e vasilhas nunca são demais, de todos os tamanhos e formatos, com ou sem divisórias, mas é importante que caibam na lancheira. As garrafas, preferencialmente térmicas - para conservar a bebida fresca (água); com boa vedação – evitando acidentes e livros ensopados; com bocal adequado para a idade e de fácil manuseio pela criança.

 

"Estar bem alimentada reflete diretamente no crescimento, desenvolvimento e na capacidade de aprendizagem da criança. Os lanches escolares, quando saudáveis e adequados para cada faixa etária, vão auxiliar no bom rendimento escolar, na construção de hábitos saudáveis e no desenvolvimento biopsicossocial. Sempre peço para os pais fazerem a seguinte reflexão: temos 365 dias no ano, destes, 200 dias letivos. Isso é rotina! Então, serão 200 oportunidades, no mínimo, de oferecer saúde para os seus filhos. Nas festividades e comemorações serão os momentos de flexibilizar a alimentação das crianças", nutricionista Bárbara Ergang sobre a importância de criar uma rotina de lanche escolar saudável.

 

Nutricionista Bárbara Ergang, com a pequena Isabella Drescher Storck, de 5 anos
Nutricionista materno infantil - CRN² 14381 
Consultora em lactação – AGACAM 0040
Especialista em Cuidado Materno Infantil
Mestre em Alimentação, Nutrição e Saúde