Mais de R$ 700 mil são injetados a cada mês na economia de Três de Maio

Em janeiro 2.875 três-maienses foram beneficiários pelo programa Bolsa Família do Governo Federal. O número representa 11,54? população, conforme o último Censo 2022. Em média, cada beneficiário recebe R$ 646,38

Mais de R$ 700 mil são injetados a  cada mês na economia de Três de Maio
No primeiro mês do ano, 1.113 famílias de Três de Maio foram atendidas pelo programa Bolsa Família

Três de Maio tem 2.875 pessoas em famílias beneficiárias do programa Bolsa Família. O número representa 11,54% da população três-maiense, conforme o último Censo, que registrou uma população de 24,9 mil habitantes. Os dados estão disponíveis no painel de monitoramento do programa do Governo Federal e são referentes ao mês de janeiro de 2024. 

Do total, 1.580 são de pessoas do sexo feminino e 1.295 do sexo masculino. 

Comparando com o percentual brasileiro, com 55,7 milhões de pessoas em famílias beneficiadas, o percentual é de 27,47%, mais que o dobro do percentual três-maiense. No Rio Grande do Sul, 15,09% dos gaúchos estão cadastrados, totalizando 1,6 milhão de pessoas beneficiadas.

De acordo com o relatório gerado pelo Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome e consultado pelo Semanal em 30 de janeiro, Três de Maio teve 1.113 famílias atendidas pelo programa no primeiro mês de 2024. Ao todo, foram pagos R$ 719,4 mil aos beneficiários, o que gerou um benefício médio de R$ 646,38.

Comparando os dados atuais com julho de 2022, quando o benefício era chamado de Auxílio Brasil, houve um crescimento no número de famílias atendidas no programa de transferência de renda no município. Na época, o Auxílio Brasil assistia a 1.059 famílias, um acréscimo de 54 famílias em 2023 (5,10% de aumento).

 

Famílias precisam estar inscritas no Cadastro Único

A coordenadora do Bolsa Família e do Cadastro Único de Três de Maio, Juliana Laurentino, explica que para receber o benefício do programa de transferência de renda é necessário que as famílias sejam inscritas no Cadastro Único e tenham renda per capita inferior a R$ 218 mensais.  “Além da renda, critérios como manter os filhos matriculados e frequentando a escola, assim como acompanhamento vacinal e nutricional das crianças e das mulheres em idade fértil, também são considerados para permanência no programa”, ressalta a coordenadora que atua como instrutora do Bolsa Família no Estado para outros municípios. 

Juliana lembra que é o Governo Federal o único responsável pela seleção das famílias beneficiadas e que ele considera dados do Cadastro Único atualizados nos últimos 24 meses. “A gestão municipal do Cadastro Único e Bolsa Família, atua em conjunto com a gestão Estadual e Federal, com auxílio de ferramentas disponibilizadas pelo governo, que organizam, qualificam, mapeiam e fiscalizam a execução dos Programas Sociais, no contexto da vigilância socioassistencial. 

Outro aspecto relevante, é a rede intersetorial (saúde-educação-assistência social), que compõe uma função essencial na gestão do Bolsa Família, especialmente no acompanhamento das famílias já beneficiárias e nas ações de busca ativa de famílias para serem inseridas nos programas.”

Em termos de fiscalização, o principal agente fiscalizador dos recursos do Bolsa Família (IGD – Índice de Gestão Descentralizada. Nos municípios é o Conselho Municipal de Assistência Social – Comas. Eles reúnem-se mensalmente e avaliam os gastos com o programa. 

Se o valor médio de R$ 700 mil mensais, se manter até o fim do ano, somente em Três de Maio devem ser movimentados mais de R$ 8,4 milhões. “Toda transferência de renda tende a trazer algum impacto positivo para o município, uma vez que o recurso recebido normalmente é gasto no comércio local, fomentando o desenvolvimento econômico da cidade”, destaca Juliana. 

Quanto à vulnerabilidade socioeconômica, a coordenadora destaca que a percepção que se tem é que o benefício faz diferença no cotidiano das famílias, pois colabora em grande parte com a alimentação, vestimenta, gás, água, luz, despesas escolares, dentre outras. “Contribui para que as crianças tenham acompanhamento escolar, nutricional e vacinal. Também influencia a buscar o mercado de trabalho, proporcionando melhores condições financeiras e promovendo a cidadania”.

Coordenadora do Bolsa Família em Três de Maio, Juliana Laurentino

 

PESSOAS EM FAMÍLIAS BENEFICIÁRIAS DO BOLSA FAMÍLIA

Idade Masculino Feminino Total
0 a 4 anos 200 176 376
5 a 6 anos 101 72 173
7 a 15 anos 271 295 566
16 a 17 anos 55 61 116
18 a 24 anos 111 161 272
25 a 34  anos 152 279 431
35 a 39 anos 62 136 198
40 a 44 anos 64 102 166
45 a 49 anos 89 124 213
50 a 54 anos 74 80 154
55 a 59 anos 61 54 115
60 a 64 anos 44 37 81
+ 65 anos 11 3 14
Total    1.295 1.580 2.875

 

O dinheiro faz diferença no orçamento doméstico

Uma das beneficiárias, que prefere não se identificar, afirma que o Bolsa Família tem sido fundamental no sustento do grupo familiar no momento em que o marido está doente. “Representa uma ajuda no fim do mês para o pagamento do aluguel, para a compras de remédios, no  pagamento de luz e água e para comprar de materiais escolares para filha. Isso ajuda bastante”, finaliza a mulher que trabalha como diarista e recebe em média R$490 por mês do Bolsa Família.