Sexta-feira, 22 de novembro de 2019
Ano XXXI - Edição 1584
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Pastoral da Criança: aliada da família, da criança e da gestante

11/10/2019 - Por Jornal Semanal
Tweet Compartilhar
Pastoral da Criança: trabalho voluntário que faz a diferença na vida de 51 famílias
Trabalho voluntário - desenvolvido pela Paróquia Nossa Senhora da Conceição de Três de Maio há cerca de 30 anos -, atualmente é realizado por 13 líderes que atendem 61 crianças, de 51 famílias
Elisabete Daiana de Souza, 33 anos, é mãe de duas crianças. O mais novo tem seis anos. Ana Carine Calixtro, 28 anos, tem quatro filhos; destes, um bebê de um mês. 
Mas, o que essas mães têm em comum? Além de morarem no mesmo bairro, Schardong, elas recebem o acompanhamento dos voluntários da Pastoral da Criança da Paróquia Nossa Senhora da Conceição da Igreja Católica de Três de Maio. 
A Pastoral da Criança - organismo de ação social da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) - está presente em Três de Maio há cerca de 30 anos. Atualmente, tem atuação diretamente em quatro comunidades, sendo uma no interior e três na cidade. São 13 líderes que atendem 61 crianças e 51 famílias.
O trabalho dos voluntários é acompanhar o desenvolvimento infantil desde o ventre materno até os seis anos - uma maneira de cuidar e proteger as crianças. Nas visitas domiciliares, são repassadas orientações básicas sobre saúde, alimentação, educação e cidadania; num trabalho voluntário sem distinção de cor, raça, profissão, credo religioso ou político. 
As coordenadoras da Pastoral da Criança da Paróquia Nossa Senhora da Conceição, Ivana Christ, Tânia Schast e Eliege Rigon demonstram a alegria de servir e dedicar atenção, carinho e amor por essas famílias e suas crianças. "Nosso voluntariado é a força que move a Pastoral da Criança nesses anos de existência, promovendo a paz e a solidariedade em nossa missão que é também evangelizar. Nosso trabalho é inspirado na passagem bíblica do Evangelho de João, que diz 'Jesus veio para que todas as pessoas tenham vida e a tenham em abundância'", afirmam as coordenadoras.
Dentre as atividades se destacam as visitas domiciliares e os encontros mensais que culminam com a "Celebração da Vida". Nas visitas das famílias atendidas, em áreas consideradas mais carentes da cidade, as voluntárias levam doações de cestas básicas, fraldas, materiais de higiene e limpeza, roupas para as crianças e, inclusive, camas, colchões e outros itens básicos para que as famílias possam ter uma vida com mais dignidade. Em muitas casas visitadas, não existem redes de água, luz e esgoto; por isso a dedicação das voluntárias da Pastoral vai muito além de apenas levar as doações, mas sim, se preocupar com a vida dessas pessoas, desenvolvendo compaixão e empatia. 
As voluntárias contam que este ano de 2019 está sendo marcado pelo "Projeto Zero Violência, 100% Ternura"; que remete ao comprometimento das pessoas em cuidar das crianças e garantir o direito a uma vida digna, sem violência. "No entanto, ainda há muito a fazer. A Pastoral da Criança precisa de voluntários para que possa atender mais famílias. Venha ser um voluntário; entre em contato com o Centro Pastoral", convidam Ivana, Tânia e Eliege.

A importância da visita domiciliar
A visita é o contato mais próximo que as coordenadoras e as líderes têm com as famílias atendidas; pois nesses encontros, conversam com as mães e as gestantes, conhecem melhor as famílias; ficam sabendo das suas expectativas e necessidades; o que elas já tem de conhecimento sobre a maternidade e o que ainda precisam de orientação. Também observam e interagem com as crianças que recebem o acompanhamento. Dessa forma, a cada mês, o voluntário e a família também fortalecem laços de confiança e amizade.
Para as líderes, é muito mais do que uma simples visita, é um momento de encontro, de partilha, de trocar experiências sobre as dificuldades e as alegrias da vida. "A Pastoral da Criança é uma rede de solidariedade e os voluntários são amigos que a família sabe que pode contar. Somos aliadas da família, da criança e da gestante; estamos na comunidade para orientar, lutar por conquistas que tragam mais qualidade de vida e para caminhar junto. Levamos solidariedade, esperança. Queremos agradecer à todas as famílias que nos recebem com tanto carinho em suas casas", enfatizam as coordenadoras.

A 'Celebração da Vida'
A Celebração da Vida é o encontro mensal das diferentes famílias acompanhadas pela Pastoral da Criança; e, a cada três meses, o encontro tem acompanhamento nutricional na comunidade. 
Atualmente, são 13 líderes -voluntárias das próprias comunidades, que fazem visitas mensais nas famílias cadastradas: Ana Cristina, dona Amândia, Sandra, Beatriz, Suzana, Liane, Onorina, Suzana, Denise, Zenaide, Maria Lurdes, Maira e Cleni. O acompanhamento nutricional na comunidade também tem uma equipe de voluntários.
O encontro da Celebração da Vida também é um momento no qual as crianças, mães, líderes e os membros da comunidade podem participar juntos de várias brincadeiras, sendo um dia especial, de diversão e confraternização.

Atualmente, na Paróquia Nossa Senhora da Conceição, a Pastoral da Criança atua diretamente em quatro Comunidades, sendo uma no interior e três na cidade. São 13 líderes que atendem 61 crianças e 51 famílias

Encontros com as famílias são realizados no pátio da pequena capela do Bairro Schardong

'As meninas da Pastoral me acharam no momento em que eu mais precisei', diz mulher atendida 
Há cerca de quatro anos, a família de Elisabete de Souza é assistida pela Pastoral da Criança. "Já me ajudaram com cesta básica, roupas para meu guri, muita coisa. Eu fico muito grata a elas, devo muito a Pastoral", afirma. 
"Bete", como é chamada, relata que a família enfrentava muita dificuldade e com ajuda da Pastoral, alimentos e roupas para o filho não faltam. "Meu guri pedia as coisas e a gente não tinha como dar. Meu marido faz bicos e tira um pouco para viver, que dá para comer e comprar as coisas para nosso filho. Ele adora ir à aula, está no primeiro ano; gosta de estudar, adora livros. Eu queria trabalhar, mas tá difícil conseguir um serviço", conta. 
Além dos cuidados, a Pastoral também dá suporte espiritual, por meio das líderes e da participação das famílias em missas, e "Bete" conseguiu batizar o filho. Ela também ressalta que recebe conselhos e conversa com as meninas da Pastoral. "Tinha vontade de abandonar tudo e sumir, dá vontade de sair correndo daqui, mas pedi a Deus misericórdia porque minha família precisa de mim. E as meninas me ajudam, aconselham, me ouvem e conversam comigo. É muito bom".
A mãe também revela que o filho quer um brinquedo de Dia das Crianças. "Ele pediu: pai eu quero um brinquedo; mas não sei se vamos ter condições de comprar. Não tá fácil", lamenta. 
Na casa da família de Ana Carine Calixtro, o cuidado maior é para o pequeno bebê, de um mês. No colo de Ana, ele é alimentado, exclusivamente pelo leite materno. Na visita domiciliar, as voluntárias pedem para a mãe se está tudo bem com a criança e com a família. 
Ana conta que conheceu a Pastoral quando foi morar na Schardong. "As meninas me acharam no momento que mais precisei; já recebi muita ajuda - roupas, alimentos, fraldas, roupa de cama", revela. Ela também ressalta a importância dos encontros mensais, onde as participantes conversam, dão risada e mantêm um convívio social. 
Algumas famílias assistidas pela Pastoral da Criança estão morando em área invadida. Elas se inscreveram em programa de habitação da prefeitura e aguardam transferência para um novo loteamento.

No grupo de voluntários da Pastoral da Criança se destaca a liderança jovem e o espírito de servir

Diversas atividades são realizadas com as famílias atendidas pelas voluntárias da Pastoral da Criança



Sobre a Pastoral da Criança
A Pastoral da Criança foi fundada em 1983, na cidade de Florestópolis, Paraná, pela médica sanitarista e pediatra, dra. Zilda Arns Neumann, e pelo então Arcebispo de Londrina, hoje cardeal emérito, Dom Geraldo Majella Agnelo. Hoje se faz presente em todos os estados brasileiros e em outros 10 países da África, Ásia, América Latina e Caribe.
A dra. Zilda Arns Neumann, mensageira da paz e do bem, iniciou a Pastoral da Criança com muita garra e persistência, deixando um exemplo de vida, de perseverança, de carinho e amor ao próximo. Em 2010 morreu em missão, no Haiti.



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

08/11/2019   |
01/11/2019   |
18/10/2019   |
11/10/2019   |
30/09/2019   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS