Terça-feira, 19 de novembro de 2019
Ano XXXI - Edição 1584
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Economia para consumo

23/08/2019 - Por João Seno
Tweet Compartilhar
À GUISA DE COMENTÁRIO - AMOR AO PRÓXIMO - É uma mercadoria em falta no mercado atualmente, porque a maioria das pessoas olha mais para si do que para os outros. Pensam do jeito tipo cada um por si e Deus por todos. Ficaria bem melhor se as pessoas não esquecessem de si, mas também olhassem para o próximo. Amor ao próximo não deve ser apenas compromisso para pessoas afeitas a compromissos religiosos. Deve ser compromisso de cada um, não importando a sua situação econômica ou social. Enxergar as dificuldades e a situação do outro faz parte do amor ao próximo. Há muitos próximos por perto e lá longe que passam sérias dificuldades. Sofrem com problemas financeiros, muitos sequer estão empregados. Muitos têm sérios problemas de saúde e não possuem moradia. É preciso olhar com mais carinho para estes próximos. 

CHORO DO PREÇO DO LEITE - O choro do preço do leite é forte. Os produtores reclamam em público do preço praticado. Com razão ou sem razão, as reclamações existem. Não há reclamações apenas a respeito do preço do leite, mas de muitos outros produtos. Por exemplo, as reclamações do exagerado preço praticado nos combustíveis é uma reclamação que nunca acaba. Então, há reclamações de produtos no tocante a preços baixos e tocante a preços elevados. Mas isso não é de hoje. Isso vem lá do fundo dos tempos. Só o que os reclamantes não sabem, muitos dos reclamantes ao menos, é a reclamação ao governo, ou contra o governo. É preciso deixar claro que não é papel do governo tabelar preços de produtos primários, ou produtos industrializados. É papel do mercado estabelecer e praticar preços. E a lei dos preços de produtos primários é graças ao desempenho da produção. Quando há muito produto disponível, o preço cai e quando a produção é escassa, os preços sobem. Há muito leite no mercado e pouco consumidor.

A HISTÓRIA DA CRECHE PEQUENO PRÍNCIPE - A história da Creche Pequeno Príncipe no alto da Avenida Avaí é singular. Fora uma herança da administração anterior. Foi anunciada a conquista, mas não havia recursos disponíveis e tratava-se de uma obra cara, caríssima, porque a obra de 1.400m2, a ser erigida, sequer estava previsto onde o educandário para cerca de 240 crianças, a partir de quatro anos, devia ser erigida. O então prefeito fez das tripas coração para concluir a obra, que foi entregue em tempo hábil à comunidade. É um exemplo a ser imitado. 

CONTRATAÇÃO DE PROFESSORES - O ensino estadual passa por um problema jamais vivido neste amado Rio Grande. São 110 mil matriculados fora da sala de aula. E vejam que estamos em fins de agosto, no segundo semestre do ano letivo. Embora tardiamente o governador do Estado protocolou na Assembleia Legislativa um projeto solicitando autorização para contratação emergencial de 5.020 professores para a rede pública estadual. Imaginem a situação do governador, que não tem dinheiro para pagar pontualmente os servidores públicos existentes e com o ingresso de mais estes 5.020 educadores, donde virá o dinheiro para pagar o pessoal? É uma situação simplesmente escabrosa.

PROFESSOR NÃO DEVIA SER POLÍTICO. É o que muitos pensam. E você que nos lê o que pensa disso? É que o educador sempre vai procurar influenciar politicamente os educandos, puxando a brasa para seu partido, dizem os que não concordam.
"O BRASIL TODO ESTÁ SEM DINHEIRO" foi o que disse o presidente Bolsonaro. É uma situação dolorosa.



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

14/11/2019   |
08/11/2019   |
01/11/2019   |
25/10/2019   |
18/10/2019   |
11/10/2019   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS