Quinta-feira, 20 de junho de 2019
Ano XXXI - Edição 1562
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Economia para consumo

14/12/2018 - Por Jornal Semanal
Tweet Compartilhar
À GUISA DE COMENTÁRIO - FURTAR OU ROUBAR - Oitavo não furtar. Assim rezava o oitavo mandamento, que antigamente se aprendia no catecismo.  À  primeira vista, furtar parece mais suave do que roubar. Roubar tem uma conotação pesada. Furtar parece apossar-se do alheio em pequena quantidade. Seria como apanhar frutas no quintal do vizinho. E roubar seria como invadir uma propriedade e levar sorrateiramente algo de valor. Dinheiro ou um objeto caro. Digamos,  um televisor. Talvez, ninguém diria ou escreveria que os gatunos furtaram 10 milhões num assalto a banco. A imprensa não divulgaria notícia, dizendo que um parlamentar desviou 100 milhões, furtando os  cofres públicos. Seja como for, nem furtar e muito menos roubar faça parte das nossas vidas. 

BULLING LÁ ATRÁS ERA DEBOCHE E QUEM DEBOCHAVA ESTAVA SUJEITO A LEVAR UNS MURROS. É QUE OS TEMPOS MUDARAM.

AGRICULTURA EM MALTA - Está pintando mais um ano bom na agricultura gaúcha e brasileira, o carro-chefe da nossa economia. O milho parece ser a grande vedete da safra 2018-2019. A soja terá uma pequena queda e o arroz gaúcho vai  cair em relação às safras anteriores. A atual safra de grãos a nível nacional poderá ser a maior de todas. A previsão é de mais de 238 milhões de toneladas.

NINGUÉM MAIS FALA - Impressionante, ninguém mais fala nos médicos cubanos. É que ninguém tem saudades deles. Que golpe bem aplicado esse do Programa Mais Médicos. Em tempo recorde o vazio dos cubanos, que voltaram para  seu torrão, foram preenchidos por médicos brasileiros.
  
MUITOS APOSENTADOS QUEREM TRABALHAR - Um levantamento mostra que 21% dos aposentados querem continuar trabalhando. Logicamente, alguns porque precisam, mas outros querem continuar e continuam trabalhando porque não querem ficar parados. Este colunista também é daqueles que não quer e não pode cruzar os braços, porque entende que a atividade é saudável. Lamentavelmente, muitos jovens em idade produtiva tenham que abster-se do trabalho, porque não encontram o tão cobiçado emprego. 

VAMOS BUSCAR PARA TRÊS DE MAIO O TÍTULO DE BERÇO NACIONAL DA SOJA.  Foi aqui que tudo começou, quando Três de Maio ainda era distrito de Santa Rosa. O primeiro plantio da oleaginosa, com sementes importadas, foi feito em solo tresmaiense. Perguntem ao Jost.
 
"OS PROBLEMAS DE UM HOMEM, QUASE TODOS, SE DÃO POR ELE DESEJAR DEMAIS O DINHEIRO, O SEXO OU O PODER. QUANTO MENOS O HOMEM DESEJA, MAIS PERTO FICA DA FELICIDADE. As considerações são do colunista David Coimbra. 

SALÁRIOS E O 13º  -  Por falta de encaixe o governo do Estado pago os salários mensais de forma parcelada em escala crescente aos servidores. O 13º será pago ao funcionalismo de forma parcelada, conforme matéria aprovada pela Assembleia Legislativa. O servidor pode optar se quer  receber o 13º de uma vez, através de financiamento. A maioria das prefeituras municipais paga o 13º em duas parcelas, sendo uma depositada na metade do ano e a outra parcela, em dezembro. Reina invulgar expectativa entre os servidores estaduais de como o futuro governador vai proceder que dentro de um ano quer pagar os salários pontualmente ao funcionalismo, conforme prometeu na campanha. 



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

07/06/2019   |
31/05/2019   |
24/05/2019   |
17/05/2019   |
10/05/2019   |
04/05/2019   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS