Sábado, 17 de novembro de 2018
Ano XXX - Edição 1533
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Economia para consumo

01/11/2018 - Por João Seno
Tweet Compartilhar
À GUISA DE COMENTÁRIO - FIM DE UM CICLO - Chegamos ao fim de um ciclo. Não durou bem duas décadas. Tudo na vida tem o seu tempo. Isso no esporte, na política, nas atividades comunitárias. Tudo tem suas etapas de alta  e de baixa rotação. Depois do período do domínio militar,  tivemos o retorno da normalidade política com alternâncias no poder. Entrou em cena o governo-relâmpago de Collor de Mello, cassado e apeado do governo. Na década de 1990, apareceu em cena Fernando Henrique Cardoso, que trouxe na bagagem o Plano Real, que salvou a desastrada economia, herança do governo Collor. Na aurora do século XXI, despontou a era do petismo com Lula no comando, que durou até o advento do bolsonarismo. Quando o povo cansa de um ciclo, exige mudanças. Foi o que aconteceu. 

ESTAMOS AQUÉM OU ALÉM DE UMA NOVA ERA? Estamos é no epicentro de uma nova era. 

NOSSA CONTRIBUIÇÃO COM A COMUNICAÇÃO - É bom lembrar algumas coisas, quando a Rádio Cidade Canção FM completa 30 anos de vida. Não serve para vangloriar-me, mas contribuí decisivamente com a comunicação tresmaiense, apesar de não ter cursado jornalismo. Na aurora da década de 1970, participei da criação do primeiro jornal - A INTEGRAÇÃO - que circulou em Três de Maio, até 1974, quando foi para Horizontina, onde circula até hoje. GENTE, COISAS E OUTROS BICHOS - uma coluna que fez sucesso na época. Participo da Rádio Cidade Canção FM, desde 1º de maio de 1993, como redator, apresentador e comentarista.  E esta coluna tem mais de 15 anos. 

DESAFIOS do novo presidente são muitos. O monumental déficit é um deles. A taxa de desemprego é outro. Não se pode esquecer a corrupção. A gastança com a estrutura administrativa  precisa ser reduzida drasticamente. A violência precisa ser atacada sem tréguas. Reformas da Previdência e fiscal, entre outras, são urgentes e urgentíssimas. 

E A FACADA? - Era para matar. E tudo indica que o ataque ao candidato Bolsonaro, no dia 6 de setembro, em Juiz de Fora, foi contratado e financiado, conforme suspeitas que estão vindo a lume. O esquema foi o mesmo usado com o então candidato Eduardo Campos, nas eleições de 2014, que até hoje não foi esclarecido. Tem dinheiro em jogo. Não foi por amor a Deus que o Edécio deu a facada no presidente eleito, Jair Messias Bolsonaro. A sobrevivência foi um milagre. O caso precisa ser apurado.  Dizem que há gente envolvida na Câmara dos Deputados. 

SEM APOIO - Infelizmente, Três de Maio ficará sem apoio governamental, a partir de janeiro de 2019. O Estado ficará em poder dos tucanos e o governo federal ficará sob o comando de Bolsonaro, eleito pelo PSL, derrotando o candidato petista. A administração municipal não tem disponível porta onde bater. É o jogo político. Lamentável. 

TRÊS DE MAIO FOI BOLSONARO - Novamente o eleitorado tresmaiense votou maciçamente em Bolsonaro, disparando mais de 5.000 mil votos de diferença  em Haddad, candidato do PT. Ninguém virou casaca do primeiro para o segundo turno. Para governador do Estado a diferença pró-Eduardo Leite, foi de apenas 14 votos. Em muitos municípios da região,  Sartori foi mais votado do que o governador eleito. 

FRASES PARA REFLETIR - 1 - "MAIS BRASIL E MENOS BRASÍLIA", Bolsonaro. 2 - "UMA REFORMA FEDERATIVA PROFUNDA. UMA REFORMA TRIBUTÁRIA RADICAL. POR ESSAS DUAS PORTAS, O GOVERNO ENCONTRARÁ SAÍDAS". Frase do cronista David Coimbra. 3 - "UM POUCO DE ILUSÃO TAMBÉM FAZ BEM AO CORAÇÃO". Opa!



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

26/10/2018   |
19/10/2018   |
11/10/2018   |
05/10/2018   |
28/09/2018   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS