Sábado, 17 de novembro de 2018
Ano XXX - Edição 1533
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Economia para consumo

11/10/2018 - Por João Seno
Tweet Compartilhar
À GUISA DE COMENTÁRIO - HONESTIDADE - Metendo os olhos nas eleições do último domingo, nos domina um sentimento de que a honestidade deve pairar acima de tudo. Lamentável, que o pleito tenha sido dominado pelas Fake News, a mentira eletrônica, utilizada para enganar os eleitores. O eleitor tem que ouvir a verdade, precisa guiar-se pela verdade. Parece que o eleitor tentou mostrar uma nova face da realidade brasileira, alijando muitas figuras emblemáticas e siglas tradicionais, optando pelo novo. Tomara que o ditado da "vassoura nova varre bem", seja verdadeiro. Isso só vai confirmar-se, se houver honestidade. E isso só o tempo e as ações dos futuros governantes e dos futuros legisladores dirão. Tomara que o reinado da mentira e da falta de honestidade seja retrato arquivado.   
As eleições, transcorridas no último domingo, foram da mentira, eletronicamente falando. As Fake News dominaram o pleito, mas a verdade deve triunfar. 

CRAQUES E AZARÕES - Dilma, em Minas Gerais, Geraldo Alckmin, em São Paulo. E como explicar os fenômenos Luiz Carlos Heinze e o jovem Marcel van Hattem?  

DINHEIRO E ESPAÇO NA TELEVISÃO E RÁDIO NADA RESOLVEU.  

COMO EXPLICAR o mau desempenho do PSDB nos resultados em nível nacional, tendo o candidato à presidência, Geraldo Alckmin, atingido menos de 5%  do eleitorado e tendo a sigla perdido 20 cadeiras na Câmara dos Deputados, quando em nível de Estado, o candidato da sigla ficou em primeiro lugar, devendo disputar a vaga ao governo do Estado?  Difícil de explicar. 

MENOS PARTIDOS - As próximas eleições poderão ter menos partidos disputando vagas, porque dos 35 partidos do presente pleito, 14 não atingiram os percentuais dos votos exigidos pela legislação eleitoral, por isso, não terão direito aos fundos estipulados e não terão como sobreviver. 

DIFÍCIL DE ENTENDER - Em Três de Maio, o candidato do PT à presidência fez mais de 5 mil votos a menos do que o candidato do PSL, registrando nas urnas escassos 3.500 votos, quando nas últimas  eleições municipais a sigla petista havia conquistado nas urnas mais de 7.500 votos. É difícil de explicar como vota o eleitor. 

SEM DINHEIRO É DIFÍCIL ADMINISTRAR - Os problemas a serem enfrentados pelos futuros governantes serão muitos, seja em nível nacional,  seja em nível estadual, e os recursos são escassos. Por isso, não adianta fazer promessas mirabolantes, se não há dinheiro para enfrentar os problemas, que não são poucos. 

OS TRADICIONAIS REPRESENTANTES LOCAIS NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA E NA CÂMARA DOS DEPUTADOS SE REELEGERAM. QUEM FRACASSOU FOI DARCÍSIO PERONDI, DO MDB, QUE BUSCAVA O SEXTO MANDATO. 

INFLAÇÃO GIGANTESCA - FMI prevê 10.000.000% para a inflação da Venezuela, em 2019. Sem dúvida, gigantesca, num país em que o povo passa fome e está fugindo para outros países em busca de sobrevivência. Coisa inacreditável e mesmo assim há quem ainda indique a Venezuela como país-modelo de democracia. Nós, os brasileiros, queremos inflação baixa, juros baixos e melhores salários e reduzido índice de desemprego. Se os novos governantes, pelo menos, conseguirem atingir estas metas, nos próximos tempos, serão aplaudidos.



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

01/11/2018   |
26/10/2018   |
19/10/2018   |
05/10/2018   |
28/09/2018   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS