Terça-feira, 23 de outubro de 2018
Ano XXX - Edição 1530
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Vitamina D

13/07/2018 - Por Yara Lampert
Tweet Compartilhar
De um tempo para cá, fala-se muito em "Vitamina D". Mas o que é? Qual a sua importância para o nosso organismo? 
Para tirar nossas dúvidas e entender melhor, trago uma entrevista com a médica endocrinologista Mônica de Castilhos. Confira:

O que é Vitamina D? 
É um pró-hormônio, produzido a partir da ação do raio ultravioleta B na pele.

Quais as consequências da falta? 
Alguns sintomas da deficiência são fadiga, fraqueza muscular e dor óssea. A falta de Vitamina D aumenta o risco de osteopenia/osteoporose, raquitismo nutricional (defeito na mineralização do osso em crescimento).

Quais são as fontes de Vitamina D? 
Pode ser encontrada em alimentos como óleos de salmão, atum e sardinha, gema de ovo, fígado, leite, iogurte e queijos. Porém, as fontes de Vitamina D alimentares são escassas e os seres humanos dependem principalmente da produção cutânea, catalisada pelos raios ultravioleta solares.

Como ela age no nosso organismo?
A Vitamina D ativa e modula a síntese e o controle da secreção de paratormônio, aumenta a absorção de cálcio pelo intestino e relaciona-se com a manutenção da massa óssea e com a melhor função muscular. Efeitos extra ósseos da Vitamina D: desenvolvimento cerebral; ação em doenças autoimunes e cardiovasculares; proteção contra alguns tipos de câncer tais como mama, cólon e próstata; ação no metabolismo da glicose; redução do risco de algumas doenças mentais; redução do risco de infecções. 

Quem tem maior risco desta deficiência?  
A hipovitaminose D é um problema mundial e o Brasil apresenta uma taxa elevada em diversas faixas etárias. É importante enfatizar que é considerada população de risco para hipovitaminose D: pacientes com raquitismo ou osteomalácia, osteoporose, doenças granulomatosas, linfomas, síndromes de má-absorção, insuficiência renal e hepática. Usuários de medicações que interfiram no metabolismo de Vitamina D: anticonvulsivantes, colestiramina, glicocorticoides, antifúngicos, antirretrovirais, orlistate. Também os idosos, gestantes, lactentes e obesos.

Quais as recomendações diárias de Vitamina D? 
Doses de manutenção diárias de vitamina D recomendadas para população geral e para população de risco para deficiência
Quais os valores normais da Vitamina D?
Os valores de normalidade da Vitamina D vêm sendo discutidos há algum tempo pelas Sociedades Médicas.
O posicionamento do Departamento de Endocrinologia é de que:
- Maior do que 20 ng/mL é o desejável para população geral saudável.
- Entre 30 e 60 ng/mL é o recomendado para grupos de risco como idosos, gestantes, pacientes com osteomalácia, raquitismos, osteopenia/osteoporose, hiperparatireoidismo secundário, doenças inflamatórias, doenças autoimunes e renal crônica e pré-bariátricos.
- Entre 10 e 20 ng/mL é considerado baixo com risco de aumentar remodelação óssea e, com isso, perda de massa óssea. Além do risco de osteoporose e fraturas.
- Menor do que 10 ng/mL muito baixa e com risco de evoluir com defeito na mineralização óssea, que é a osteomalácia, e raquitismo.
- Acima de 100 ng/mL é considerado elevado com risco de hipercalcemia (quando a quantidade de cálcio no sangue é maior do que o normal) e intoxicação.

Mônica atende na Clínica Viva Vida. 
Rua Osvaldo Cruz, 479, Sala 401 - 
Três de Maio 
Telefones: (55) 3535-2034 
e (55) 98103-0000

FOTO: DIVULGAÇÃO



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

19/10/2018   |
11/10/2018   |
05/10/2018   |
28/09/2018   |
21/09/2018   |
14/09/2018   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS