Segunda-feira, 23 de julho de 2018
Ano XXX - Edição 1516
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Festas juninas

29/06/2018 - Por Yara Lampert
Tweet Compartilhar
A temporada das alegres festas juninas está em alta. Os festejos e os arraiais acontecem a todo vapor, nas empresas, com os familiares e entre amigos. Viva São João!

Origem da festa junina
A origem das festas juninas é pagã. A igreja acabou aderindo às festas atribuindo-lhes um caráter religioso, uma vez que não conseguia acabar com a sua popularidade.
No Brasil, as festas juninas foram introduzidas pelos portugueses no período colonial e, desde então, a comemoração sofreu influências das culturas africanas e indígenas e, por isso, possui características peculiares em cada parte do Brasil. As festas caipiras, como são também conhecidas, são típicas da região nordeste do país.


Comidas e bebidas
Os quitutes mais tradicionais da festa junina são: pipoca, paçoca, pé-de-moleque, canjica, cachorro-quente, pamonha, curau, bolo de milho, arroz-doce, pinhão, cuscuz e tapioca. Já as bebida mais tradicional é o quentão.
Todos esses elementos ajudam a compor o ambiente da festa, chamado de arraial. 


Brincadeiras

As brincadeiras mais comuns são: cadeia, pau-de-sebo, pescaria, correio-elegante, saltar a fogueira, argola, entre outros. Estão incluídas também as simpatias, que acabam carregando um pouco do tom do divertimento.

Bandeirinhas 

Conhecidas como o principal enfeite decorativo das festas juninas, as bandeirolas (bandeirinhas) surgiram como forma de homenagem aos três santos conhecidos como "padroeiros" das festas juninas: Santo Antônio, São Pedro e São João. As imagens dos santos eram pregadas nas bandeiras coloridas e imersas em água, rito conhecido como lavagem dos santos. De acordo com a crendice popular, a água purifica todos aqueles que se molham com ela. O tempo foi passando, as bandeirinhas diminuindo de tamanho, mas continuam até hoje com a mesma simbologia: de purificar o ambiente da festa.


Casamento caipira
O casamento caipira é feito em homenagem a Santo Antônio, o santo casamenteiro. Essa "fama", segundo alguns religiosos, veio de pedidos feitos por moças ao santo em busca de noivo e marido. Uma das formas de conseguir isso é colocar a imagem de Santo Antônio de castigo de alguma forma. Uma das maneiras mais conhecidas é mergulhá-lo de cabeça para baixo em uma bacia com água. O famoso casamento caipira surgiu como forma de chacota aos casamentos clássicos, já que foge dos padrões tradicionais. O pai da noiva obriga o noivo a se casar com uma espingarda apontada para a sua cabeça, tendo o apoio do delegado da cidade. O casamento caipira é finalizado com os noivos, então casados, puxando o início da quadrilha.


Quadrilha e vestimenta

Nas festas juninas se dança o forró. A quadrilha é, todavia, a dança típica da festa. Ela tem origem nas danças de salão na França e consiste numa bailada de casais caracterizados com vestimenta tipicamente caipira.
Antigamente, por serem festas promovidas pelas cortes, as mulheres tinham que usar vestidos voluptuosos e rodados. Daí a origem dos vestidos de quadrilhas, que, em nosso país, acabaram sendo confeccionados com tecidos mais coloridos e chamativos, principalmente com chita.
As quadrilhas possuem bastante valorização na região Nordeste do país, como em Campina Grande, na Paraíba, onde acontece a maior festa junina do país, também, é realizado um dos maiores concursos dessa modalidade. 



Fonte: www.todamateria.com.br/festas-juninas/

https://brasilescola.uol.com.br/detalhes-festa-junina/curiosidades-festa-junina.htm





Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

13/07/2018   |
06/07/2018   |
22/06/2018   |
15/06/2018   |
08/06/2018   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS