Quinta-feira, 19 de abril de 2018
Ano XXIX - Edição 1503
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Abertas as inscrições para o 3º Seminário Internacional de Educação e Intercultura

23/03/2018 - Por Jornal Semanal
Tweet Compartilhar
Seminário, que ocorrerá no começo de maio, teve seu lançamento oficial na noite da última sexta

As inscrições gerais para o 3º Seminário Internacional de Educação e Intercultura, que será realizado em Três de Maio, estão abertas desde a última sexta, 16. Elas devem ser feitas no site do evento, siei.pmtresdemaio.com.br, até 30 de abril - o valor é de R$ 80.
O seminário teve seu lançamento oficial na noite de sexta, no Hettwer's Pub. A programação ocorrerá entre 3 e 5 de maio (quinta, feriado municipal, sexta e sábado), no Clube Buricá e em outros locais, estes recebendo diferentes minicursos.
A realização neste ano é da Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte (Smece) e do Programa de Inovação Pedagógica junto aos Professores da Educação Básica (Proipe, da UFSM), em conjunto com 12 apoiadores. A primeira edição do seminário foi realizada em novembro de 2015, em Alegria, e a segunda no ano passado, durante a 15ª Expofeira do Agronegócio, em Três de Maio.

Linha de Humberto Maturana
Neste ano, o tema do seminário será "Contribuições para a educação contemporânea". Haverá conferências (duas no dia 3 e duas no dia 4), 13 minicursos, todos no dia 4, e dois painéis, no dia 5 - além de sarau musical e lançamento de livros. A expectativa da organização é de receber mil pessoas no evento.
"Vamos trabalhar a linha do Humberto Maturana (neurobiólogo chileno), que é um grande pensador e pensa a educação de uma outra forma", diz a coordenadora-geral do seminário, a vice-prefeita Eliane Fischer, professora por profissão.
"Ele trabalha muito a pedagogia do amor, a biologia do amor. Então, vamos trabalhar a questão do bem viver, do conviver, a relação interpessoal entre os alunos, entre os próprios educadores, entre estudantes e professores, a valorização do ser como ser humano. Essa linha vai além da proposta pedagógica que existe, do currículo a ser vencido", conta Eliane.
Além do tema central, alguns dos outros temas abordados serão "Empatia como instrumento de comunicação", "A escola que temos e a escola que queremos", "O educar e o brincar na educação infantil", "Educação socioambiental e do campo", "Gênero e diversidade na educação básica", "A musicalidade como instrumento pedagógico" e "Ética e educação na contemporaneidade".
Além de palestrantes brasileiros (doutores, mestres, especialistas), haverá dois da Universidad del Salvador, de Buenos Aires (os doutores Gustavo Marques, pró-reitor, e Claudia Tosseli, professora), e um do Instituto Idocha, do Uruguai (o professor doutor Nestor Bodan).
Inclusive, está em tratativas a vinda do próprio Maturana. Caso ela não se concretize, há a possibilidade de que sua companheira, a professora Ximena Dávila, também chilena, seja uma das palestrantes.

'Reencantar a educação'
Na visão da vice-prefeita Eliane, "precisamos reencantar a educação". "Precisamos fazer com que os professores mantenham o gosto por ensinar e que as crianças tomem gosto pelo estudo, e fazer com que essas relações interpessoais se deem de uma melhor forma contribuirá para que tenhamos uma educação de maior qualidade", afirma.
"Há todo um sistema que acabou gerando um certo descontentamento nos educadores, então precisamos que haja esse reencanto. Precisamos fazer ver que só por meio da educação vamos conseguir mudar alguma coisa", acrescenta.
Eliane destaca que a linha de pensamento desenvolvida por Maturana já vem desde o ano passado sendo trabalhada na formação continuada dos professores da rede municipal - e ela conta que tem sido possível perceber resultados.
"A questão envolve trabalhar a escola como um todo, a escola inserida na comunidade e a comunidade inserida na escola. A escola não é uma ilha, nós precisamos da comunidade. Estamos fazendo esse resgate e levando mais a comunidade para dentro da escola", ressalta.
O dia 4 de maio já havia sido definido no calendário escolar da rede municipal como dia de formação de professores - ou seja, não haverá aulas neste dia.

Experiências de educação em reserva indígena
A vice-prefeita diz que "a participação (da comunidade) é, atualmente, bem maior". Eliane cita como exemplo a construção em torno do projeto que resultou na criação da Escola Municipal de Ensino Fundamental Bem Viver Caúna, na localidade de Caúna, a primeira escola do campo de Três de Maio, que iniciou as atividades neste ano.
"O envolvimento da comunidade na formação dessa escola foi e está sendo excepcional. Fora isso, em todas as outras escolas, a participação dos pais, nas reuniões, nos diferentes eventos que as escolas promovem, é excelente. Há uma interação maior. Isso é um saldo muito positivo", declara.
Também haverá, no seminário, a presença da etnia afro da Casa de Cultura de Santa Rosa, que, em conjunto com o grupo de samba Gente da Casa, falará, em um dos minicursos, sobre o tema "Cultura afro-brasileira", no restaurante do Clube Buricá.
Ainda, a presença da reserva kaingang de São Valério do Sul (município distante 50 quilômetros de Três de Maio), chamada Terra Indígena Inhacorá, que conta com uma escola indígena.
O cacique Adilson Policena, professor do Instituto Estadual de Educação Indígena Ângelo Manhká Miguel, de São Valério do Sul, falará sobre o tema "Kaingang: identidade e intercultura: experiências educativas da Terra Indígena Inhacorá", em um dos painéis do dia 5, a partir das 10h30min.

FOTO: MURIAN CESCA



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

13/04/2018   |
09/03/2018   |
09/03/2018   |
20/10/2017   |
08/09/2017   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS