Quarta-feira, 13 de dezembro de 2017
Ano XXIX - Edição 1487
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Economia para consumo

24/11/2017 - Por João Seno
Tweet Compartilhar
À GUISA DE COMENTÁRIO - ÓDIO, MUITO ÓDIO - Estamos rodeados de ódio. Por muitos motivos. Pelos mais diversos motivos. O ódio é um mal que faz parte da essência humana. O primeiro grande exemplo de ódio espoucou na primeira família bíblica. Caim matou o irmão Abel. O motivo teria sido ódio ou inveja  do irmão. Depois, ao longo dos séculos, o ódio se esparramou por todos os recantos do universo das mais diversas formas. Odeia-se por dá cá aquela palha. Pelos motivos mais comezinhos o ódio desencadeia no ser humano. Pelos motivos mais fúteis muitos há que destilam o veneno do ódio. Quem é feliz não alimenta ódio. A felicidade traz alegria e aceita as controvérsias da vida. O ódio é azedo e nasce de corações pesarosos. Por isso, é preciso buscar sempre a alegria, o sabor adocicado das boas ações. Há ódios simplesmente impensáveis, como é o caso da diferença racial, a diferença religiosa e, sobretudo, a diferença ideológica ou político-partidária. Ao invés do ódio, o respeito ao ser humano. 

ESCUSAS, MIL ESCUSAS  - Que tenha sido mal entendido, meu caro Ildo. Uma pena que tenha falado em irritação no tópico publicado, nesta coluna, na edição do dia 10 de novembro. Nada, absolutamente, nada contra o  amigo ILDO BOMBARDELLI, ex-aluno dos bons tempos, que puxou o assunto para si. Nada contra a família BOMBARDELLI. Por amor de Deus! A gente tinha uma relação fraternal com o irmão do Ildo, que está radicado no Oeste paranaense. Lá na casa dos Bombardelli comíamos galinhada, preparada pela nona, regada ao bom vinho caseiro. Esta foi a relação professor-aluno daquela época. O que o colunista gostaria de enfatizar é que em meados da década de 1960, houve  a mudança na produção primária, com o advento da Operação Tatu. Foi o divisor de águas da nossa agricultura, com o advento da modernização da agricultura, com o uso da tecnologia e da mecanização da lavoura. Os velhos costumes cederam lugar à cultura do trigo, soja e milho. Esta a razão pela qual veio abaixo o parreiral de 4 hectares lá no fundo do bairro São Francisco.  O que, Ildo, foi uma pena. Isso na minha ótica. Se for culpado pelo mal-entendido, crucifique-me e me mande para o inferno. Escusas, pois, mil escusas. 

"UM EX-PRESIDENTE, QUE ERA OPERÁRIO E VIVIA DE PALESTRAS, JAMAIS PODERIA TER R$ 21,4 MILHÕES PARA SEREM BLOQUEADOS". A frase é do colunista Túlio Milman. Se bem que cobrava R$ 400 mil por palestra.
"Se caísse  uma bomba no Congresso Nacional, neste momento, haveria festa em todo País" A frase bombástica é do deputado Bolsonaro, sem partido. 

QUEDA DA PRODUÇÃO - A previsão da queda da  produção agrícola para a safra 2017/2018 é de 8,9%, em função do clima adverso no período. Os produtores estão preocupados com a previsão da queda da produção primária, porque isso mexe com nossa economia, que aos poucos, lentamente, está se recuperando. Isso faz parte do sobe e desce econômico. 

ÁREA INDUSTRIAL II - Há tranqueira na instalação da Área Industrial II, por causa de pendências com a Fepam. Ora! Ora! Se há pendências que estas pendências sejam resolvidas com a maior pressa possível, para que aquela área de 45 lotes de 1.500 m² seja ocupada e passe a render dividendos para o Município e surjam novos empregos que tanto fazem falta em Três de Maio. 

COMPARE OS NÚMEROS E VALORES  - O Piso Nacional do Magistério é de R$ 2.297,00, mas poucos professores recebem na sua folha esses valores. Enquanto isso, deputados e senadores têm depositados na sua folha todos os meses R$ 33.723,00 reais. Os professores não têm auxílio-moradia, enquanto deputados e senadores, que não querem morar num dos 432 apartamentos disponibilizados gratuitamente, podem abocanhar um auxílio-moradia no valor de R$ 4.323,00 reais, quase o dobro do Piso Nacional do Magistério.  Viram? São alguns números e valores que mexem com o imaginário de nossos atentos leitores. Aliás, muitos deles ficam furiosos, quando veem essas discrepâncias soltas por este País de tantas barbaridades, onde o trabalhador vai receber, a partir de janeiro de 2018, R$ 964,00 reais. 



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

08/12/2017   |
01/12/2017   |
17/11/2017   |
10/11/2017   |
03/11/2017   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS