Segunda-feira, 25 de setembro de 2017
Ano XXIX - Edição 1476
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

O mal-estar das fofocas

01/09/2017 - Por Yara Lampert
Tweet Compartilhar
A fofoca é um dos comportamentos mais fáceis de neutralizar quando se tem equilíbrio, assertividade e segurança. 
O fofoqueiro precisa de "plateia"; quando não tem, perde o poder. 

"Não existe corrupto sem corruptor, não existe fofoca sem aquele que conta, o que ouve e o que espalha. Não existe fofoca inocente. 
Quem, de qualquer forma faz uma avaliação superficial ou divulga opinião alheia que menospreza alguém, não vale mais do que o próprio. Fofoqueiros tem pouco caráter, e se bem analisados, nenhum valor. Quem tenta diminuir as pessoas e se colocar numa posição vantajosa é fraco e covarde. Usando as palavras ainda que em tom de brincadeira, o fofoqueiro pode causar inimizades, mal estar e até mesmo tragédia. A fofoca que denigre a moral de outras pessoas, é crime, porque não se sabe qual o vulto que toma e as reações que pode causar". Marinho Guzman
 Todos nós, vez ou outra, precisamos conviver com alguma pessoa que queremos ver longe.  Maldade, fofoca, inveja, intrigas e, por aí vai.  A jornalista Heloísa Noronha fez uma matéria sobre comportamentos destrutivos, que são nocivos às relações humanas.  E aponta como a fofoca pode causar dor, destruindo amizades, amores e relações. 

O que é fofoca?
"Fofoca é um dos males que tem alto poder de destruir uma relação. Quase sempre vem de pessoas ligadas aos envolvidos, formulada com desonestidade, covardia, ressentimentos aos seus próprios defeitos, e sem chances de defesa". Azenraldo

O fofoqueiro
Eis uma pessoa perigosa, porque é falsa. A fofoca é uma ameaça: em algum momento alguém vai acreditar e isso fará o fofoqueiro se sentir poderoso e foco das atenções.
 Para que o fofoqueiro exista é necessário alguém que lhe dê liberdade e ouça suas fofocas. Portanto, evitar ou mesmo cortar esse tipo de diálogo vai desviar a atenção dele.

A parábola das 3 peneiras
Para refletir:
Um homem foi ao encontro de Sócrates levando ao filósofo uma informação que julgava de seu interesse:
- Quero contar-te uma coisa a respeito de um amigo teu!
- Espera um momento - disse Sócrates. Antes de contar-me quero saber se fizeste passar essa informação pelas três peneiras.
- Três peneiras? Que queres dizer?
- Vamos peneirar aquilo que queres me dizer. Devemos sempre usar as três peneiras. Se não as conheces, presta bem atenção. A primeira é a peneira da VERDADE. Tens certeza de que isso que queres dizer-me é verdade?
- Bem, foi o que ouvi outros contarem. Não sei exatamente se é verdade.
- A segunda peneira é a da BONDADE. Com certeza, deves ter passado a informação pela peneira da bondade. Ou não?
Envergonhado, o homem respondeu:
- Devo confessar que não.
- A terceira peneira é a da UTILIDADE. Pensaste bem se é útil o que vieste falar a respeito do meu amigo?
- Útil? Na verdade, não.
- Então, disse-lhe o sábio, se o que queres contar-me não é verdadeiro, nem bom, nem útil, então é melhor que o guardes apenas para ti.
"Se você não viu com os seus próprios olhos, 
nem ouviu com seus próprios ouvidos, 
não deixe sua mente inventar coisas 
para sua boca espalhar."

Fonte:www.com.br /comportamento/noticias
 Izabel Failde - Heloísa Noronha 








Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

15/09/2017   |
08/09/2017   |
25/08/2017   |
18/08/2017   |
11/08/2017   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS