Quinta-feira, 23 de novembro de 2017
Ano XXIX - Edição 1484
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Economia para consumo

18/08/2017 - Por João Seno
Tweet Compartilhar
À  GUISA DE COMENTÁRIO - EDUCAÇÃO  RESOLVE -  Os países ao redor do mundo dão o exemplo. A Alemanha é um exemplo de apoio e investimento em Educação.  A Coreia do Sul é outro exemplo. São duas nações,  que brotaram do nada. Lançaram a semente da Educação e em poucas décadas se tornaram nações prósperas. Evidentemente, outras nações ao redor do mundo, se guiaram por este princípio e se tornaram potências. O Brasil custa aprender esta lição. E os resultados estão aí. Estamos caminhando no tranco do cágado. Devagar, quase parando e até em marcha-a-ré. Deixamos de investir lá atrás em escolas e, agora, dura lei mas lei,  temos que investir na construção de prisões. Os malfeitores deste início de século XXI poderiam ser os construtores de nossa economia e desenvolvimento, se tivessem tido oportunidade de estudo, quando meninos. Vamos culpar a quem? Os nossos governantes politiqueiros e sem visão de futuro. 

GASTOS  EXORBITANTES  - Em 2016, os cofres do governo federal  desovaram R$  423 milhões em auxilio-moradia para  o Ministério Público e o Judiciário.  Uma exorbitância. Assim não dá. 

QUEM TEM MUITO, NÃO ABRE MÃO DE NADA. 

ROUBALHEIRA DA GROSSA  - Abigeato, assaltos a bancos e carros-fortes e sequestro de empresários. Tudo isso assusta o Rio Grande do Sul.  Temos ainda o roubo de carros e o assalto a caminhões e o roubo de cargas.  Tudo isso não tem solução à vista. 

FALTA DE VISÃO ECONÔMICA - Não basta um governante só ter visão política. Precisa ter também visão econômica e social.  Vejam o caso de Gravataí, antes da instalação da GM  naquele município, o PIB daquela comuna era a 9ª do Estado e, hoje, é a 3ª.  Guaíba poderia ter tido a mesma sorte, se o sabido do ex-governador Olívio Dutra, não tivesse mandado embora a Ford para a Bahia.   

DESPERDÍCIO  - Cada vez mais se chega à conclusão de  que o Brasil não é um País sério. Quer dizer, muitos políticos e governantes não são sérios. Basta ver os desperdícios e a roubalheira. Vejam essa: uma comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou R$ 3.6 bilhões como fundo de campanha para as próximas eleições. Ao invés de tornar mais baratas 

QUANDO O FILHO OU A FILHA DIZ "MEU PAI É OU FOI POBRE, MAS HONESTO" É PORQUE ENTENDEU A 
MENSAGEM.

FRUSTRAÇÃO DA SAFRA DE INVERNO  - As últimas safras de grãos invariavelmente  foram boas. Tanto isso é verdade que a agricultura salvou a nosso economia, neste difícil período de recessão econômica. Mas o clima não foi favorável no primeiro semestre e, por isso, a safra de trigo, canola, cevada experimentou um fracasso ou quase fracasso. Agora, é torcer pela safra de verão. 

REFORMAS - 1 - "A reforma da Previdência se impõe. Ela é uma condição necessária, sem a qual o setor público estará fadado ao colapso". Gilberto Porcello Petry, presidente da Fiergs. 
2 - "Este é o momento  de o governo reafirmar  o seu compromisso com a austeridade e levar adiante reformas  hoje paralisadas pelo  agravamento da crise política". Opinião de colunista. 





Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

17/11/2017   |
10/11/2017   |
03/11/2017   |
27/10/2017   |
20/10/2017   |
13/10/2017   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS