Terça-feira, 22 de agosto de 2017
Ano XXIX - Edição 1471
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Vale do Silício - O umbigo do mundo

02/06/2017 - Por Jornal Semanal
Tweet Compartilhar
O Vale do Silício é uma região entre San José e San Francisco, na Califórnia - EUA. São 80km de pura tecnologia. É lá que surgiram e continuam surgindo as principais empresas de tecnologia do mundo. Virando uma esquina aqui, outra alí, na sua frente estão os prédios do Uber, LinkedIn, Twitter, Salesforce, entre outros gigantes.
O Vale, como é chamado, durante décadas construiu uma cultura de inovação e com isso desenvolveu uma maneira diferente de criar empresas. As startups são projetadas para crescer rápido, impactar muita gente e se tornarem negócios muito valiosos, como Google, Facebook, Apple, Tesla e tantas outras. 
Esse cenário está atraindo grande parte das mentes mais brilhantes do planeta, que estão saindo de grandes corporações para trabalharem em projetos que rompem as barreiras da indústria tradicional e criam os negócios do futuro. É um batalhão de gente supermotivada e disposta a mudar a forma de como o mundo é hoje. 
Cansados de ver "indústrias" tradicionais entregando produtos e serviços ineficientes e caros, estão criando soluções altamente tecnológicas, simples, práticas e acessíveis. Assim vimos desaparecer muitas empresas que por anos lideraram mercados, como a Kodak, que viu seu império ruir com a chegada das máquinas digitais, nas quais não acreditou no início; a Blockbuster, que assistiu a Netflix liquidar com o mercado de locação de filmes e que poderia ter comprado no seu início por US$ 50 mi de dólares e hoje vale mais de US$ 60 bi; o WhatsApp, que terminou com o SMS e o DDI enquanto as operadoras brigavam entre si para ver quem entregaria a tarifa mais baixa; o Uber, que está deixando o tradicional mercado de táxis de cabelo em pé; o Airbnb, que está transformando o mercado de hotelaria no mundo; a Tesla, fabricante de carros elétricos que em poucos anos já superou a centenária GM em valor de mercado e está desafiando a indústria do petróleo e energia; entre tantas outras que estão redesenhando a maneira como as pessoas vivem. 
Sim, essa é a 4ª revolução industrial e estamos vivendo ela sem nos dar conta... é apenas o começo de grandes transformações que ainda veremos acontecer no próximos anos em todas as áreas do conhecimento. 
Teremos internet em qualquer canto do globo de graça e com alta velocidade; em 2040 está previsto impressão de órgãos humanos 100% compatíveis; vamos imprimir nossos próprios calçados e outros artigos; será estranho ouvir dizer que algum dia matamos animais para servir de alimento; carros com motorista serão exceção; drones transportarão pessoas; o celular deixará de existir logo, como também as TVs; viajaremos pelo mundo sem ter de sair de casa; mais uma vez as profissões serão reinventadas. Enfim, várias novas oportunidades surgirão enquanto a maioria das coisas como conhecemos hoje deixarão de existir. 
 Adilson Weddigen 
Sócio-diretor da Migrate de Três de Maio 




Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

18/08/2017   |
11/08/2017   |
04/08/2017   |
28/07/2017   |
21/07/2017   |
14/07/2017   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS