Terça-feira, 22 de agosto de 2017
Ano XXIX - Edição 1471
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Soares e Sauer Advogados Associados

19/05/2017 - Por Yara Lampert
Tweet Compartilhar
Depois de 29 anos de magistratura, com uma carreira brilhante, Dr. Jairo Cardoso Soares volta a advogar. Com um brilhante currículo, passou por diversas comarcas, sendo que sua última foi na cidade de Frederico Westphalen. Devorador de livros e um exímio conhecedor das leis de Direito, Jairo busca novos desafios, e em parceria com o advogado Vitor Seger Sauer, inaugura hoje o Escritório de Advocacia Soares e Sauer, localizado na rua Ijuí, 265, em Três de Maio.

Depois do exercício de 29 anos como juiz de direito, de uma Carreira de muito sucesso, o que o levou a advogar novamente?
Ainda me considero jovem e acho que tenho muito a contribuir com a sociedade. Se for para ter uma atividade, que seja na área que atuo e tenho vocação há 34 anos. Cinco como advogado que já fui e 29 anos como magistrado.

Como foi a sua trajetória como juiz de direito?
Tive uma brilhante carreira, sendo que sempre atuei nas cidades desejadas, tendo galgado as promoções desejadas e de todos lugares guardo boas recordações e saudades. Como titular comecei em Ijuí, em 1988. Após veio Santa Vitória do Palmar, Santa Maria, Lavras do Sul, Três de Maio, São Sepé e Frederico Westphalen.

Em que área jurídica pretende atuar mais?
Preferentemente na área cível com vocação para área empresarial, tributária, previdenciária, família e sucessões. Também vou atuar com Direito Eleitoral e Criminal, este com ênfase para os delitos ambientais e de trânsito.  

O senhor acredita que, no Brasil, o Direito atende as expectativas da população por justiça? Poderia dar um conceito ideal de justiça?
Certamente não. Temos uma legislação feita para não funcionar tanto na área cível como na área criminal. Há uma infinidade de recursos, o que entendo totalmente desnecessário. Imagine, e estou me referindo a casos já julgados, o Supremo Tribunal Federal discutir furto de gabatela, entre outros casos de menos importância. Para estes existe a justiça de primeiro, segundo e terceiro graus que são os juízes de Direito, os Desembargadores e os Ministros do STJ. Não vejo necessidade de um quarto julgamento, embora ele exista.

Às vezes a justiça é cega e injusta?
Não diria a Justiça como um todo, mas existem julgamentos com ares de cegueira para o direito e seus princípios ou mesmo de uma injustiça flagrante.

Em sua opinião, como diminuir a impunidade?
Há anos venho falando que basta haver um rigorismo na legislação criminal. Se alguém foi condenado a dez, 15 ou 20 anos, deverá cumpri-lo integralmente no regime fechado. Deve haver a extinção dos regimes aberto e semiaberto, que nunca funcionaram. Lembro quando da edição da lei dos crimes hediondos, que houve uma significativa redução da criminalidade face a expectativa de cumprimento de 2/3 da pena no regime integralmente fechado, o que veio atualmente a ser mitigado pela jurisprudência que desvirtuou totalmente os crimes hediondos para efeitos de cumprimento da pena.

Como surgiu a parceria do escritório Soares e Sauer?
É um projeto antigo que não nasceu por acaso, mas sim foi muito bem gestado e estudado. Um marco especial, a inauguração da sociedade empresarial, é a união da experiência com a jovialidade e disposição para um crescimento conjunto.

O que o senhor diria para quem esta cursando o Direito, como incentivo para chegar à carreira da magistratura?
Sempre digo que o curso de Direito é o que melhor opões de emprego oferece no mercado. Há cerca de 12 cargos, por Estado da Federação, nas chamadas carreiras jurídicas com vencimentos iniciais entre R$ 20 e R$ 25 mil. Há uma infinidade de outros cargos a serem preenchidos através de concurso público.  Para chegar à magistratura ou qualquer carreira jurídica, basta estudo e disciplina, sendo que isso deve se iniciar quando da graduação. Não basta cursar a faculdade para ser aprovado nas disciplinas, mas sim para obter um bom conhecimento jurídico.

Poderia nos relatar um caso jurídico que marcou a sua vida?
São vários casos, mas o que guardo na memória e muito me emociona são os vários casos de adoção, quando a gente vê a felicidade do casal adotante ao finalizar o processo, com a entrega da sentença de adoção com o nome dos adotantes na certidão de nascimento. Ali a gente se sente gratificado por dar uma melhor oportunidade para a criança e fazer a felicidade do casal adotante. Tem-se a certeza do dever cumprido.  

A sua experiência como magistrado certamente vai ser de grande valia, pois o senhor, como ninguém, conhece o outro lado. O que podemos esperar do advogado Jairo Cardoso Soares?
A experiência conta mas não como fator a levar vantagem. A lei é igual para todos. A ideia é dar dedicação exclusiva e diferenciada com os casos em que iremos atuar, ou seja, vamos pautar pela qualidade dos casos e serviços e não pela quantidade. Dedicar um zelo especial à tramitação processual na medida em que não basta se ter o direito, mas se deve fazer prova desse direito no processo.

Quais suas ponderações finais aos nossos leitores?
Finalizo observando que estou cumprindo a promessa que fiz quando aqui cheguei, em dezembro de 2006. Falei, na ocasião, que aqui iria morar para sempre, constituir uma família e ser feliz. Para que o ser humano seja feliz, se faz necessário ter uma atividade. Com o fim do ciclo na magistratura, nada melhor do que dedicar o aprendizado de longos anos na advocacia a serviço da comunidade.




Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

18/08/2017   |
11/08/2017   |
04/08/2017   |
28/07/2017   |
21/07/2017   |
14/07/2017   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS