Terça-feira, 22 de agosto de 2017
Ano XXIX - Edição 1471
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Muito mais que um diploma

31/03/2017 - Por Jornal Semanal
Tweet Compartilhar
Para Tiago dos Santos Dalri, que colou grau no sábado, formatura representa a realização de um sonho e a superação de barreiras

O sábado, 25 de março, ficará marcado para sempre na memória do três-maiense Tiago dos Santos Dalri e dos pais, Oldemar e Rosangela. A data marca uma grande conquista e a realização de um sonho do jovem, que nasceu com deficiência auditiva.
"Como qualquer outro jovem, tenho sonhos e metas para realizar. A colação de grau foi um passo muito importante para a minha autonomia e realização como sujeito da minha própria história. E também para mostrar à sociedade que o surdo é capaz de realizar tudo o que qualquer pessoa faz. Somente tem uma forma de comunicação diferente. E como diz J. Schuyler Long, 'A Língua de Sinais é, nas mãos de seus mestres, uma linguagem das mais belas e expressivas, para a qual, no contato entre si é como um meio de alcançar de forma fácil e rápida a mente do surdo, nem a natureza nem a arte proporcionaram um substituto satisfatório'", afirma Tiago.
O jovem, de 29 anos, colou grau em Design Gráfico e Design de Produto, pela Unijuí - Câmpus Ijuí, depois de seis anos de idas à universidade. Segundo ele, optou pelo curso porque sempre gostou muito de desenhar, criar, recriar, inovar as coisas. "Tenho paixão por tudo que se refere à criação de produtos novos. Acredito que seja também por eu ter área visual mais desenvolvida, pois a língua a qual faço uso é visual. Quando criança, já apresentava muita curiosidade, gostava de desmontar, montar os meus brinquedos, de modificá-los", revela o designer.

Caminhada de obstáculos e superação
Tiago afirma que a universidade contava com um intérprete de Libras - Língua Brasileira de Sinais - nas aulas, tanto nas teóricas como nas práticas. Em todos os momentos, nas atividades realizadas pela instituição, ele tinha o acompanhamento de intérprete. "Tenho muito a agradecer aos intérpretes, pois foram anjos que me acompanharam e me deram suporte em toda esta caminhada, ajudando a realizar o meu sonho de me formar em Design."
No começo, a trajetória não foi fácil, segundo Tiago. Até ingressar no Ensino Superior, ele não havia estudado em escola junto com ouvintes. "Senti muito a barreira da comunicação, pois os colegas ouvintes não sabiam como se comunicar comigo. Aos poucos isto foi melhorando. Eles viram que eu sabia ler e escrever e usávamos para nos comunicar o celular, por meio de mensagens, do WhatsApp e outros aplicativos existentes graças ao grande avanço da tecnologia", relembra.
Com o decorrer do tempo, ele mesmo foi introduzindo um pouco de Libras para os colegas de faculdade. Para isso, Tiago também contou com o apoio dos intérpretes.
Outra dificuldade para os surdos, explica Tiago, é a escrita do português. "Só quem é surdo pode entender o quanto é difícil escrever corretamente o português. Não ouvimos os sons das letras; temos que memorizar a escrita das palavras e o português e a Libras tem uma contextualização diferente."
Ele diz que também enfrentou dificuldades com alguns professores, no início, no que se referia à escrita correta do português. 

A importância da família no processo de aprendizagem
O jovem deixa um recado aos pais e famílias sobre a importância de que a criança com surdez, ainda enquanto bebê, tenha contato com outros surdos e procure uma escola para este tipo de deficiência. Conforme Tiago, sua formação na Escola de Ensino Médio Concórdia para Surdos, em Santa Rosa, foi de fundamental importância, destacando a relevância da comunicação através dos sinais para os surdos.

Planos
Tiago trabalha como programador visual gráfico em uma empresa de Três de Maio. Porém, agora com formação em curso superior, os planos dele são de progredir na vida profissional e pessoal. Ele afirma que quer realizar mais um curso dentro da área e ter um emprego específico na área de Design.
Ao finalizar, faz um pedido: "Que os surdos sejam respeitados. Ser surdo é um direito meu e respeitar isso é um dever seu. Que respeitem também a nossa língua, pois, sem voz, nossas mãos vencem o silêncio e fazem a comunicação. O aprendizado de Libras pela família é crucial para o perfeito desenvolvimento da criança surda."
 
FOTO: ARQUIVO PESSOAL



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

18/08/2017   |
28/07/2017   |
28/07/2017   |
28/07/2017   |
14/07/2017   |
23/06/2017   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS