Segunda-feira, 22 de setembro de 2014
Ano XXVI - Edição 1325
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Brasil é o país que tem o maior número de dentistas do mundo

26/10/2012 - Por Jornal Semanal
Tweet Compartilhar
Ontem, 25 de outubro, comemorou-se o Dia Nacional da Saúde Bucal e o Dia do Cirurgião Dentista. Um profissional indispensável, mas que muitas pessoas só lembram dele quando sentem dor de dente. 
A data foi escolhida porque neste mesmo dia, em 1884, o imperador D.Pedro II criou as duas primeiras Escolas de Odontologia do Brasil, no Rio de Janeiro e na Bahia. Aproveitando o acontecimento histórico, o Conselho Federal de Odontologia tornou-a oficial de comemoração a este profissional.  
No Brasil, estão 19% dos dentistas do mundo. O dado é do livro Perfil Atual e Tendência do Cirurgião-Dentista Brasileiro, do ano de 2010, desenvolvido pelo Departamento de Gestão da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, em parceria com outras organizações e o Conselho Federal de Odontologia (CFO).  
Conforme a publicação, o Brasil é campeão no mundo em número de dentistas. São cerca de 250 mil profissionais. Em seguida vem Estados Unidos com mais de 170 mil dentistas; Alemanha com 70 mil dentistas; e depois vêm França, México e Argentina, com 40 mil dentistas cada.
As estimativas da Associação Brasileira de Odontologia (ABO) apontam que, por ano, cerca de 15 mil dentistas concluem a faculdade no país. Atualmente, são 203 faculdades de odontologia no Brasil. 
No Rio Grande do Sul, são cerca de 14 mil dentistas e mais nove mil entre clínicas, e outros profissionais, perfazendo cerca de 23 mil contribuintes no Estado, conforme o Conselho Regional de Odontologia do RS. Nas dez faculdades de Odontologia do Estado, se formam em média 400 dentistas por ano. 
A Organização Mundial de Saúde recomenda a proporção de um dentista para cada 1.500 habitantes. No Brasil, a média é de um dentista para cada 784 habitantes, no entanto, o acesso a todas as camadas sociais da população ainda é restrito. Além da distribuição regional destes profissionais, outros dois fatores explicam o menor acesso dos mais carentes aos serviços odontológicos. Um deles é a inserção do dentista nas políticas públicas de saúde, que é algo recente. Outro fator é que, 2/3 dos dentistas trabalham como autônomos, em atendimentos particulares. Isso representa um custo que algumas parcelas da população não pode pagar.
Em Três de Maio, a população é de 23.726 habitantes, conforme o Censo do IBGE de 2010. De acordo com a secretaria municipal da Fazenda, o município conta com 20 dentistas e oito cirurgiões-dentistas, com alvarás expedidos para funcionamento. No total, são 28 profissionais da área. A proporção é de um dentista para cada 847 habitantes.

Quase 80% dos idosos têm menos de 20 dentes
Metade dos brasileiros entre 35 e 45 anos já perdeu ao menos 12 dentes e cerca de 80% dos idosos no país têm menos de 20 dentes. E aproximadamente 35% dos idosos que precisam de dentadura não têm acesso a ela, segundo a pesquisa realizada pela Faculdade de Saúde Pública (FSP) da Universidade de São Paulo.
O levantamento foi feito em 250 municípios de todos os estados e abrangeu 13.471 adultos entre 35 e 44 anos e 5.349 idosos entre 65 e 74 anos. A pesquisa indicou quais fatores tinham relação com a perda dentária em adultos, com a falta de dentaduras e a presença de menos de 20 dentes na boca (edentulismo funcional) em idosos. 
Conforme o dentista autor da pesquisa, Rafael da Silveira Moreira, quem tem menos de 20 dentes não consegue mastigar ou falar de forma eficiente. "E a estética fica comprometida".
A pesquisa aponta que a média de perda dentária e edentulismo funcional foram maiores entre os habitantes de cidades pequenas, estados onde são extraídos mais dentes por habitante e regiões com menor número de dentistas por habitante. O estudo também indicou que tinham maiores chances de perda dentária pessoas com menos anos de estudo e quem não recebeu informações sobre como prevenir doenças bucais. Outros fatores de risco eram demorar mais de três anos para ir ao dentista ou só ir em situações de emergência.
Idosos que nunca foram ao dentista têm o dobro de chance de precisar de dentadura e não ter. Também tem mais chance os homens, não-brancos, maiores de 69 anos e que moram em casas com maior número de pessoas por cômodo. Idosos que moram em áreas urbanas tiveram menor risco, mas quando a última consulta odontológica foi realizada no serviço público, o risco foi maior.

88% dos brasileiros têm cárie
Dados divulgados pelo Ministério da Saúde revelam que 88% da população brasileira têm cárie, colocando o Brasil entre os países com mais problemas bucais. E, entre as crianças na faixa de 18 a 36 meses, 38% têm pelo menos um dente cariado segundo o SB Brasil - Levantamento das Condições de Saúde Bucal da População Brasileira.
O estudo também avaliou adolescentes das cinco regiões do país, entre 2005 e 2006, e revelou que mais de 2,5 milhões de jovens (13% da população) nunca fizeram uma consulta odontológica. Em adultos e idosos, o levantamento indicou a região nordeste com o maior índice de pessoas nesta situação.
Para o presidente da Associação Brasileira de Odontologia (ABO), Newton Miranda de Carvalho, a cárie não é mais uma questão de consultório, é um problema de saúde pública, que precisa ser erradicado com urgência para o bem-estar das populações e da própria sociedade.
A cárie é uma doença infectocontagiosa que pode resultar na destruição e perda dos dentes, caso não seja tratada. É provocada pela proliferação de bactérias e outros fatores determinantes, como resíduos alimentares na boca. Uma das formas mais eficazes de evitar a cárie é a prevenção.
Conforme Newton, hoje as pessoas têm novos hábitos, se alimentam mais vezes ao dia. "É imprescindível escovar e remover os resíduos dos dentes com frequência para prevenir a cárie e as doenças da gengiva. Além disso, é necessário utilizar o fio dental diariamente e procurar o cirurgião-dentista a cada seis meses ou sempre que detectar alguma alteração na boca", orienta.

10 dicas para ter dentes saudáveis
Os cuidados com a higiene bucal devem ser iniciados desde cedo. A criança deve começar a frequentar o dentista quando os dentinhos começam a nascer, ou seja, mais ou menos aos 6 meses, para que os pais recebam a orientação de como limpá-los.
-  Escovar sempre os dentes ao acordar, depois de cada refeição e antes de dormir;
-  Manter uma alimentação sempre saudável, rica em fibras e com baixo teor de açúcares e carboidratos;
-  O grande risco dos açúcares para os dentes é a frequência em que eles são ingeridos e não a quantidade;
-  Após as refeições, sempre passar o fio dental e realizar escovações com pasta fluoretada;
- As escovas devem ser individuais e trocadas com frequência;
- O fio dental é indispensável, pois os dentes possuem cinco faces e algumas delas não são alcançadas pelas escovas;
-  Não esquecer de escovar sempre a língua ou utilizar limpadores de língua para remover a "saburra". Restos de alimentos e células que deixam a língua com aspecto esbranquiçado/amarelado
- Evitar alimentos e bebidas com corantes que possam manchar os dentes e as restaurações de resina;
- Evitar ingerir refrigerantes e bebidas ácidas, assim como chupar frutas cítricas com muita frequência. Elas podem causar erosões dentárias e sensibilidade excessiva;
-  Previna problemas odontológicos visitando seu dentista a cada seis meses.

Fotos: Divulgação/JS



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

19/09/2014   |
19/09/2014   |
19/09/2014   |
19/09/2014   |
19/09/2014   |
19/09/2014   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS