Quarta-feira, 22 de maio de 2019
Ano XXX - Edição 1558
(55) 3535-1033
jsemanal@jsemanal.com.br
diagramacao@jsemanal.com.br

Economia para consumo

23/12/2015 - Por Jornal Semanal
Tweet Compartilhar
À GUISA DE COMENTÁRIO -O NATAL LÁ ATRÁS 
Lá atrás, quando o colunista olhava tudo com inocência, o Natal era bem diferente. Os presentes não eram sofisticados. O comércio não fazia do Natal uma oportunidade para alto faturamento. Era o tempo em que as crianças acreditavam no Papai Noel. Como acreditavam na cegonha. A mãe se empenhava, para que a crença se estendesse por mais tempo possível. E o pai colaborava, mas não com tanta convicção. O colunista desvendou, por volta dos oito anos, a veracidade dos fatos referente ao Papai Noel. Sucede que o Papai Noel, que naquele tempo vinha acompanhado de uma espécie de Mamãe Noela, se entregou. O casal de idosos, sem filhos, vizinhos, fizeram as vezes de Papai Noel naquele Natal. Se deixou reconhecer naquele Natal o Papai Noel porque era gago e usava no pé uma corrente nossa, que servia para amarrar os terneiros. Era muita coincidência. A partir de então, o Natal para o colunista perdeu um pouco da magia. E deu tempo, para que mais tarde, por volta dos 15 anos, o colunista preparasse uma indumentária para também fazer o papel de Papai Noel. Acredita-se que não tenha decepcionado, porque sabia encenar bem. 
É PRECISO MUDAR DE JEITO - De fato, do jeito que está não dá. O Rio Grande gasta 75% do que arrecada em folha de pagamento e 13% vão para pagamento das contas com a União. Sobram 13% para manutenção e investimentos. O nosso Estado precisa mudar de jeito para poder avançar. 
DEVE SER MUITO RUIM DORMIR NO XILINDRÓ DURANTE O NATAL E ANO NOVO, POR CAUSA DE PIXULECOS E OUTRAS MARACUTAIAS. Dá tempo para meditar. 
INFELIZMENTE: "É triste ver que o sonho acabou. Ver aonde chegamos. Infelizmente, o PT hoje é um partido como todos os outros que sempre criticamos". Quem diz é o senador Paulo Paim, que está trocando de sigla. 
DESONERAÇÕES E SONEGAÇÕES - Em 2014, R$ 13,1 bilhões deixaram de ser arrecadados em ICMS, no Rio Grande do Sul. Só por conta do Fundopem. E, em 2.015, cerca de R$ 7 bilhões serão sonegados por empresas gaúchas. O Estado precisa ser mais eficiente para cobrar os sonegadores. O mesmo deve acontecer nas prefeituras. Sonegar impostos virou vício. No dia em que tudo for cobrado como deve ser, a nossa situação vai mudar. 
PIB AGROPECUÁRIO VAI DESPENCAR - O PIB agropecuário gaúcho cresceu 9.4% em 2015. Foi o único segmento da economia gaúcha que conseguiu crescer neste ano, graças à safra recorde de grãos e aos bons preços no mercado exterior. Mas será outro o retrato em 2016: a previsão é de que haverá uma queda de 5,37% do PIB do segmento agropecuário, devido a custos maiores da produção e por variações climáticas motivadas pelo fenômeno El Niño. 
NADA CAI DO CÉU - Exceto a chuva, o granizo e o raio, de resto, nada cai do céu. Se, hoje, temos um complexo industrial lácteo, é porque alguém lutou e foi buscar. Se temos uma perimetral, é porque alguém batalhou pela sua implantação. Se conquistamos um laboratório de análise do leite, é porque alguém viu a sua importância e não descansou enquanto não fosse aqui implantado. Nestes anos todos quanta coisa boa não caiu do céu em Três de Maio. 
QUE SEJA ESTE O NATAL DE PAZ E O ANO NOVO DE NOVAS ESPERANÇAS!



Indicar a
um Amigo

Comentários

Deixe a sua opinião

Veja Também

17/05/2019   |
10/05/2019   |
04/05/2019   |
26/04/2019   |
12/04/2019   |
05/04/2019   |




Todos os direitos reservados - Jornal Semanal - Três de Maio - RS